Logo Observador
Redes Sociais

Alife. Uma rede social a pensar nos que já partiram

Não é uma novidade entre as redes socais, mas o Alife, em poucos meses, já tem mais de 4 mil perfis de utilizadores falecidos. Com isso, os familiares querem homenagear quem partiu.

Alife

O falecimento de utilizadores de redes socais aumenta de ano para ano — e à medida que envelhecem, também, os titulares dos perfis. Em 2012, segundo as estimativas da consultora DAS, faleceram mais de três milhões de utilizadores registados no Facebook.

Em 2060, se o Facebook existir nessa altura, terá mais contas de utilizadores falecidos do que vivos, tendo em consideração a taxa de crescimento anual de subscrições à rede social de Mark Zuckerberg, que vai abrandando, enquanto a idade dos seus usuários progride.

Quando um utilizador falece, o Facebook disponibiliza um formulário que permite que familiares ou próximos do utilizador se apropriem da conta, tendo depois duas opções: eliminá-las ou transformá-la numa conta “comemorativas”. É também desta forma que funciona o Instagram. O Twitter permite a desativação da conta, também por via de um formulário, mas, se considerar que se trata de um perfil “com interesse público e com valor informativo”, reserva-se no direito de não o desativar. No LinkedIn e no Google+ só é possível eliminar o perfil.

Aproveitando o nicho de familiares que optam por não desativar a conta do utilizador falecido, Jordi Martínez resolveu criar a rede social Alife. O conceito pode até ser disparatado, insensato ou condenado ao insucesso, mas a verdade é que, desde que foi criado, o Alife conta já com mais de quatro mil “utilizadores” registados.

Nesta rede social, os familiares e amigos de um falecido têm a possibilidade de partilhar fotos, vídeos, textos e memórias deste. O conceito, no entanto, não é uma novidade. A rede social In Memoriam é-lhe em tudo similar, e há também uma versão judia do conceito, o Neshama.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt
Internet

Os europeus são de Vénus e os americanos de Marte?

Catarina Santos Botelho
103

Um grande perigo dos nossos tempos é o cruzamento de dados acumulados, que pode criar um perfil pessoal não fidedigno, unidimensional e exógena, do ser humano meramente em função da sua pegada digital