Autores › Tiago Palma

Jornalista

“A invenção do amor”, de Daniel Filipe. Foi neste brevíssimo livro, um dos primeiros que me foi oferecido e logo avidamente folheei, que me fiz leitor – ainda um catraio, pespineta mas curioso. E nele se lê, a versos tantos: «Em letras enormes do tamanho / do medo da solidão da angústia / um cartaz denuncia que um homem e uma mulher / se encontraram num bar de hotel / numa tarde de chuva / entre zunidos de conversa / e inventaram o amor com carácter de urgência». Nunca conheci Daniel Filipe. Sei dele que morreu demasiado cedo – e passou-se uma vida inteira desde a sua morte e o meu nascimento –, que foi um resistente anti-fascista e tinha-o a PIDE como sendo um “perigoso agitador”, que David Mourão-Ferreira o convidou a “sentar-se” à volta da Távola Redonda com Cinatti ou Couto Viana. E é tudo quando necessitarei saber. Nunca lho pude dizer, mas a poesia do Daniel, tão pormenoriza, crua, real, intimamente real, foi o que primeiro li (ainda que não o seja, na verdade) em reportagem. O arrebatamento final ao jornalismo foi “culpa” do Ryszard Kapuściński, da Martha Gellhorn ou do Hunter S. Thompson. Mas culpem-se igualmente duas vozes, na TV e na rádio: as de Morley Safer e Fernando Alves. Vou procurar honrá-los no ofício.

Artigos publicados

Comentários Publicados

Nenhum comentário publicado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site