Rating

DBRS admite cortar “rating” de Portugal

3.020

É a agência mais pequena das reconhecidas pelo BCE. Mas é, para Portugal, a mais importante. A DBRS receia um desentendimento com Bruxelas em torno do Orçamento do Estado.

Gustavo Bom / Global Imagens

A agência DBRS diz que está a “monitorizar” a situação em Portugal e admite alterações ao rating do país. A agência teme que possa existir um “desacordo com a Comissão Europeia que coloque em questão o compromisso do governo português com as regras orçamentais europeias”.

Em declarações difundidas esta sexta-feira, a agência canadiana diz, também que o ajustamento orçamental previsto no Orçamento é “modesto” e que a taxa de crescimento de 2,1% para 2016 é “otimista”. O que torna a execução orçamental “ambiciosa”.

“Estamos a monitorizar os desenvolvimentos e iremos avaliar a resposta do governo aos pedidos adicionais da Comissão Europeia e a quaisquer pressões orçamentais que possam surgir. Globalmente, continuamos a desejar um compromisso credível com o ajustamento orçamental, que suporte a sustentabilidade das finanças públicas”.

Estamos continuamente a monitorizar os desenvolvimentos em Portugal para avaliar se deve haver, ou não, quaisquer ajustamentos aos ratings”.

A analista Adriana Alvarado, responsável pelo acompanhamento da situação portuguesa, assinala que “a redução do défice prevista parece basear-se, em grande medida, numa recuperação cíclica da economia”. O que cria “receios acerca da durabilidade do ajustamento orçamental, tornando a consolidação das contas mais vulnerável a um crescimento abaixo do esperado”. A DBRS pede medidas orçamentais de caráter “mais estrutural”.

A DBRS é a agência mais pequena das reconhecidas pelo Banco Central Europeu (BCE), além das três grandes S&P, Moody’s e Fitch – todas as quais emitiram nos últimos dias alertas ao governo português. Porém, a DBRS é, para Portugal, a agência mais importante de todas, por duas razões:

  • Financiamento dos bancos. É graças ao rating acima de lixo da DBRS – o único – que os bancos podem apresentar dívida pública portuguesa como garantia para receberem financiamento do BCE e, sem esse rating, os bancos ficariam relegados à plataforma de emergência que usa o Banco de Portugal como intermediário (como está a acontecer desde fevereiro na Grécia).
  • Compra de dívida pública. É, também, graças a esse rating que o BCE pode incluir a dívida pública portuguesa no programa de compra de títulos que está a decorrer há quase um ano e que tem tido um impacto enorme na redução dos juros de todos os países da zona euro (exceto a Grécia, que continua de fora). Os especialistas não têm dúvidas: sem essa drenagem que o BCE está a fazer no mercado, os juros de Portugal iriam disparar – sobretudo tendo em conta que o governo quer emitir mais dívida no mercado nos próximos anos. Sem o rating, só um novo resgate garantiria a continuação da elegibilidade para este programa.

A DBRS tem a próxima avaliação a Portugal agendada para 29 de abril.

IMG_0239

A DBRS é a agência mais pequenas das quatro reconhecidas pelo BCE. Mas, para Portugal, é a mais importante de todas. Foto: DBRS

Partindo de uma entrevista à analista responsável pelo rating da DBRS para Portugal, o Observador escreveu a 29 de outubro um Especial que explica, com maior profundidade, a importância que a DBRS tem para Portugal neste momento (mais, até, do que as três grandes Moody’s, S&P e Fitch).

Desde então, a 13 de novembro, a DBRS manteve o rating acima de lixo e o “outlook” estável. Na altura, após a divulgação desta decisão, a DBRS confirmou que nos dias anteriores tinha falado ao telefone com Mário Centeno, que viria a ser ministro das Finanças no governo liderado pelo PS, e que este lhe “garantiu o compromisso com os acordos europeus” em matéria de consolidação orçamental. Esse telefonema foi “muito importante” para a decisão, disse na altura a DBRS ao Observador.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site