Rádio Observador

Mercados Financeiros

Terceira agência de “rating”, a Standard and Poor’s, avisa Portugal sobre orçamento

1.480

Primeiro a Moody's, depois a Fitch, agora a S&P. A agência de "rating" diz que as projeções macroeconómicas da propostas do Orçamento parecem "pender para o lado otimista".

JUSTIN LANE/EPA

A S&P tornou-se quarta-feira a terceira agência de rating em dois dias a mostrar dúvidas em relação aos planos orçamentais do governo, depois de a Moody’s e a Fitch terem feito o mesmo.

Em declarações difundidas na quarta-feira aos jornais, a S&P comenta o seguinte: “Como já temos dito, a nossa expectativa é que o governo continue empenhado nas políticas que favoreçam a consolidação orçamental, ainda que a um ritmo mais lento do que anteriormente, o que fica demonstrado no objetivo de défice de 2,6% do PIB, contra os 1,8% previstos pelo anterior governo”.

Entre outras coisas, notamos, contudo, que a projeção de crescimento assumida para o PIB parece pender para o lado otimista. O que implica que se o crescimento económico tiver um desempenho abaixo do previsto pelo governo, serão necessárias medidas de redução do défice adicionais, para cumprir o objetivo. Aí, acreditamos que a estabilidade do governo seria colocada em causa”.

A agência de rating termina dizendo que ,”em simultâneo, desvios significativos ou reversões da política económica podem levar a uma divergência significativa face às métricas de crédito atualmente previstas. O que, por sua vez, irá pesar negativamente no investimento na economia portuguesa e na trajetória orçamental e económica a médio prazo no país”.

Em setembro, a S&P não previa alterações à política

A agência S&P subiu o rating de Portugal em setembro, poucas semanas antes das eleições. A agência norte-americana dizia esperar que as políticas de consolidação orçamental iriam continuar, “independentemente do resultado das eleições” de dia 4 de outubro.

“Contamos que, na sequência das próximas eleições legislativas de outubro, o novo governo se comprometa com políticas que suportem o crescimento económico e a continuação da consolidação das contas públicas”, escreveu a S&P na altura. A agência denotou, aliás, que para esta subida de rating foi assumido que existe um “compromisso dos vários partidos quanto à consolidação orçamental em curso”.

“Na nossa opinião, caso as reformas estruturais em curso não continuem, nas áreas do mercado laboral e da produtividade, isso poderá penalizar a atividade futura de investimento em Portugal e na economia portuguesa, o que será negativo para o crescimento”, notou, ainda, a agência.

Na altura, o rating passou de BB para BB+, o nível menos negativo na escala da S&P dentro da classificação de dívida especulativa. Isto significa que, apesar desta melhoria do rating, a S&P continuou a recomendar a dívida portuguesa apenas aos investidores que assumem maiores riscos nas suas carteiras, em oposição àqueles mais conservadores – como os fundos de pensões – que tendem a limitar-se ao investimento em ativos com notação de risco de qualidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)