Logo Observador
Protestos

Partido Nacional Renovador convoca protesto em frente à FCSH em Lisboa

495

O PNR convocou para o dia 21 de março um protesto em frente à FCSH "contra o totalitarismo do pensamento único e pela liberdade de expressão para todos".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Partido Nacional Renovador (PNR) convocou para o dia 21 de março um protesto em frente à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa “contra o totalitarismo do pensamento único e pela liberdade de expressão para todos”.

A convocação do protesto ocorre depois de os estudantes daquela faculdade terem decidido em Reunião Geral de Alunos não ceder o auditório da faculdade à organização Nova Portugalidade para a realização de uma conferência do politólogo Jaime Nogueira Pinto sobre “Populismo ou Democracia? O Brexit, Tump e Le Pen em debate”. A Reunião Geral alegou que o evento estava “associado a argumentos colonialistas, racistas, xenófobos”.

Ao menos, que estes casos mediáticos que já afetam João Braga e Jaime Nogueira Pinto sirvam para despertar mentes e consciências. E que, uma vez despertas, percebam que só o PNR luta verdadeiramente contra o totalitarismo do pensamento único”, refere o partido na convocatória divulgada na sua página na Internet.

O fadista João Braga escreveu na semana passada na sua página do Facebook “Agora basta ser-se preto ou ‘gay’ para ganhar Óscares”, referindo-se à cerimónia de entrega de óscares em Hollywood. A afirmação gerou polémica e levou a associação SOS Racismo a apresentar queixa à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial.

Na convocatória, o PNR salienta que “sempre sentiu na pele a discriminação, o boicote, a censura e a ameaça por parte dos donos do poder estabelecido”.

Quando alertámos, centenas de vezes, que esta era a realidade no Portugal do século XXI, a maioria daqueles que nos ouviam ‘sacudia a água do capote’ e dizia-nos que era por sermos ‘extremistas’, apenas por fazermos a diferença, pensarmos de modo diferente e dizê-lo sem medo”, refere.

Para o PNR, com o “crescimento nacionalista no Ocidente, a esquerda, que domina o sistema, que dita as regras e que impõe o marxismo-cultural, começa a ficar nervosa e a endurecer a luta. É ela quem define os conceitos, decide quem pode ter voz, o que é certo e errado e criminaliza quem se lhe opõe”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

Os restos do salazarismo que vivem entre nós

João Marques de Almeida

Quando nos aproximamos de mais um 25 de Abril há heranças preocupantes do Estado Novo que vivem entre nós. Mas ao contrário do discurso do regime, são as esquerdas que mais beneficiam dessas heranças.