Governo

PSD e CDS prometem confrontar Governo com “austeridade manhosa” e “estado real” do país

PSD e CDS prometem confrontar o Governo no debate do Estado da Nação. O líder do PSD acusa o Governo de levar a cabo uma "austeridade manhosa". Já o CDS quer mais transparência.

As declarações de PSD e CDS-PP foram feitas antes de serem conhecidas as demissões dos três secretários de Estado

TIAGO PETINGA/LUSA

PSD e CDS-PP prometem confrontar o Governo no debate com as cativações de perto de mil milhões de euros, com os sociais-democratas a falarem de “austeridade manhosa” e os democratas-cristãos a exigirem conhecer o “real estado do país”.

Em declarações à Lusa a propósito do debate do Estado da Nação, na quarta-feira, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, defendeu que “há já evidências de que a política financeira deste Governo tem impacto na vida das pessoas”, acusando o Governo “de uma austeridade manhosa porque não assumida” ao aumentar impostos indiretos e piorar a qualidade dos serviços públicos.

Mais listas de espera nos hospitais, cirurgias adiadas, escolas encerradas, transportes públicos com muito menos ofertas e pior serviço. E, agora recentemente, um sistema de Proteção Civil que colapsou no exato momento em que as pessoas precisavam dele – com perdas humanas como nunca antes tinha acontecido – e uma estrutura de defesa que não cuidou de garantir a própria segurança”, criticou, numa referência aos incêndios que provocaram pelo menos 64 mortos e ao roubo de material de guerra em Tancos.

O líder parlamentar do PSD defendeu, por outro lado, que o Governo ficou “muito aquém do que era esperado” em termos económicos e que apenas conseguiu reduzir o défice “a comprimir a um ponto nunca antes visto o investimento público e a fazer cortes na despesa que não quis anunciar ao país com transparência”. “Isto denota que não há milagres, o Governo conseguiu um défice inferior a 3% – isso foi fundamental para o país – mas conseguiu fazendo o contrário daquilo que disse”, afirmou Montenegro.

Na mesma linha, o líder parlamentar do CDS-PP Nuno Magalhães exigiu transparência ao primeiro-ministro António Costa no debate do estado da Nação.

“Que diga onde e quais os programas, quais as obras em concreto na saúde, educação, forças de segurança e Forças Armadas que, por força das cativações, deixaram de ser feitos, até para sabermos qual é o estado real da Nação”, afirmou.

Para Nuno Magalhães, hoje “há dois estados da Nação”: “Há o que o senhor ministro das Finanças com um truque orçamental inventou e o estado real”, acusou, dizendo que ambos “estão separados por mil milhões de euros”. O líder parlamentar do CDS-PP considerou que a tragédia dos incêndios e o roubo de armamento pesado em Tancos marcarão “de forma inevitável” o debate.

O país neste momento debate-se com uma forte crise de confiança nas entidades do Estado, nomeadamente as que têm a ver com a soberania, segurança e defesa nacional”, criticou.

Apontando a “descoordenação política” e a “vulnerabilidade do Estado” como duas das matérias que o CDS levantará no debate, Nuno Magalhães espera ainda que o primeiro-ministro, António Costa, rompa com o “ensurdecedor silêncio” em relação aos pedidos de demissão do partido dos ministros da Defesa e da Administração Interna. Por seu lado, o líder parlamentar do PSD responsabilizou a opção do Governo de ter feito uma “aliança política” com PCP, BE e Verdes pelo que disse ser “uma ausência de ímpeto reformista”. “O governo não vai poder anunciar nenhuma grande reforma neste debate do Estado da Nação”, lamentou.

Para Luís Montenegro, uma das novidades do ano político é precisamente o comportamento dos partidos da chamada ‘geringonça’: “O BE e o PCP batem palmas a tudo isto. Simulam ao fim de semana que são oposição mas durante a semana no parlamento viabilizam todas as propostas do Governo”.

As declarações de PSD e CDS-PP foram feitas à Lusa antes de serem conhecidas as demissões dos três secretários de Estado — Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira –, a pedido dos próprios, que solicitaram ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro 2016 a convite da Galp.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Serviço Nacional de Saúde

Hospitais, novos e velhos

Fernando Leal da Costa

Vai haver verbas para rastreio do cancro. Magnífico. E os doentes dados como “positivos” vão ser investigados e tratados no mês seguinte? É que o número dos que esperam cirurgia não pára de aumentar.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site