Logo Observador
Autárquicas 2017

Dirigente do CDS pede a partido para retirar apoio a André Ventura em Loures depois de críticas a ciganos

2.211

O dirigente do CDS pede que "nem mais um dia" o seu partido fique associado a "tão lamentável personagem". Bloco já apresentou queixa Comissão pela Igualdade e Contra a Discriminação Racial.

Passos Coelho com André Ventura, na apresentação da candidatura: Foto Facebook "Primeiro Loures"

As críticas ao candidato do PSD e do CDS à câmara de Loures já passaram da esquerda para a direita. Há mesmo um dirigente do CDS, Francisco Mendes da Silva, que pede que “nem mais um dia” o seu partido “fique associado a tão lamentável personagem“. André Ventura voltou esta segunda-feira a dar uma entrevista polémica ao jornal i, onde diz que “os ciganos vivem quase exclusivamente de subsídios do Estado”, depois de já ter dado uma entrevista ao Notícias ao Minuto a dizer que “há minorias no nosso país que acham que estão acima da lei”.

André Ventura encabeça a coligação “Loures Primeiro”, que une PSD e CDS. Francisco Mendes da Silva destaca, num post no Facebook, que “não há praticamente nada que André Ventura diga” que não considere “profundamente errado, ligeiro, fruto da ignorância e de um populismo que tanto pode ser gratuito, telegénico ou eleitoralista.” O centrista diz ainda que já viu o advogado e professor universitário “falar de tudo e mais alguma coisa, em muitos casos de assuntos que conheço técnica e/ou factualmente. Nunca desilude na impreparação e no gosto em ser o porta-estandarte das mais variadas e assustadoras turbas.” O Observador contactou o coordenador autárquico do CDS, bem como o porta-voz do partido, mas ambos optaram por não comentar o assunto.

À noite, Diogo Feio, coordenador do Gabinete de Estudos dos CDS e antigo deputado ao Parlamento Europeu, entre 2009 e 2015, deixou também um comentário com uma simples frase no Facebook: “Ainda bem que não voto em Loures”.

Ainda bem que não voto em Loures.

Posted by Diogo Feio on Monday, July 17, 2017

A candidatura do Bloco de Esquerda à câmara de Loures, encabeçada por Fabian Figueiredo, apresentou logo na quinta-feira, no dia seguinte à entrevista ao Notícias ao Minuto, uma queixa na Comissão pela Igualdade e Contra a Discriminação Racial.

Na sexta-feira, o próprio líder parlamentar do Bloco de Esquerda escreveu também no Facebook que “André Ventura tem um sonho: ser o Donald Trump de Loures”. Pedro Filipe Soares diz que, para seguir o estilo do presidente do EUA, o candidato do PSD e do CDS “está gratuitamente a ofender pessoas e comunidades. É lamentável e ilegal.” O bloquista acrescenta ainda que “o apoio do PSD a este extremismo diz muito do que hoje esse partido significa.”

A candidata do PS à Câmara de Loures considera que as declarações de André Ventura “são racistas e que o candidato discriminou cidadãos portugueses”. Sónia Paixão considera ainda que “a atual autarquia comunista coligada com o PSD na câmara contribuiu para um aumento do sentimento de insegurança em Loures, ao ter liquidado os contratos locais de segurança que o último executivo do PS tinha criado.”

O líder do PNR, José Pinto-Coelho, respondeu a uma provocação no Twitter, de um outro utilizador a perguntar se André Ventura não era do seu partido. O líder do partido de extrema-direita, nessa réplica, afirmou: “Infelizmente, ao que parece, alguns dos meus andam pelos partidos do sistema”.

O candidato do Bloco de Esquerda à autarquia, Fabian Figueiredo considera que — a partir do momento em que José Pinto Coelho se identifica com André Ventura — “chegou o tempo de Cristas e Passos se pronunciarem sobre este seu candidato.”

À esquerda, o líder da oposição vai sendo visado por não afastar André Ventura. O vice-presidente da bancada do PS, Filipe Neto Brandão, afirma que “Passos Coelho ainda vai a tempo de impedir que este possa ser discurso do PSD numa autarquia, seja ela qual for. Não o fazendo, Passos Coelho será conivente com o candidato e o PSD descerá um enorme degrau na sua degradação moral (não, o racismo não tem desculpa nem justificação). Deplorável.”

O antigo secretário de Estado do PS, Francisco Seixas da Costa também utilizou o Facebook para destacar que “um silêncio da direção do PSD sobre estas declarações funcionaria como uma objetiva rutura desse consenso, deslocando o nome do partido para um terreno eticamente muito pouco cómodo.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Autárquicas 2017

Dias em que me envergonho do meu país

José Manuel Fernandes
6.018

Primeiro Isaltino. Depois o triste caso do juiz. A seguir o passado cheio de sombras das alternativas. Oeiras é um retrato do pior do país. Mas que dizer, em Sintra, dos enganos de milhões de Basílio?

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.