Logo Observador
Óbito

Morreu o ator Martin Landau

372

O ator norte-americano Martin Landau morreu aos 89 anos, informou esta segunda-feira a TMZ. O ator morreu no sábado, vítima de "complicações inesperadas" após uma breve hospitalização.

Influenciado pela obra de Charlie Chaplin, fez a sua estreia na Broadway em 1957

Luís Vasconcelos/LUSA

O ator norte-americano Martin Landau, conhecido pelas interpretações em filmes como “North by Northwest”, de Alfred Hitchcock, e pela série de televisão “Mission: Impossible”, morreu aos 89 anos, informou esta segunda-feira o portal de notícias TMZ.

O ator morreu no sábado, vítima de “complicações inesperadas” após uma breve hospitalização num centro médico da Universidade da Califórnia, segundo o portal especializado em notícias sobre celebridades.

Nascido em Brooklyn, Nova Iorque, a 20 de junho de 1928, Landau trabalhou no design do New York Daily News antes de começar a carreira de ator.

Influenciado pela obra de Charlie Chaplin, fez a sua estreia na Broadway em 1957 e o primeiro papel importante no cinema chegou em 1959 com “North by Northwest” (“Intriga Internacional”) de Hitchcock.

Além do papel como Rollin Hand na série de televisão “Mission: Impossible” (“Missão: Impossível”), que protagonizou juntamente com a mulher na altura, Barbara Bain, Landau será recordado pelas interpretações em “Tucker: The Man and His Dream” (“Tucker: O homem e o seu sonho”), de Francis Ford Coppola, em 1988, e “Crimes and Misdemeanors” (“Crimes e Pecados”), de Woody Allen, em 1989.

Um dos papéis mais populares foi o de comandante John Koenig na série televisiva britânica “Space: 1999” (“Espaço:1999”), de 1975.

A interpretação de Bela Lugosi no filme de Tim Burton “Ed Wood” (1994), valeu a Martin Landau o Óscar de Melhor Ator Secundário (1995).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.