Estados Unidos da América

Carro colide com manifestantes durante os protestos de extrema-direita em Charlottesville. Há uma morte confirmada

Um carro avançou em direção a um grupo de manifestantes na cidade de Charlottesville. A primeira vítima mortal está confirmada, disse o presidente da Câmara Mike Signer. Há 20 pessoas feridas.

Charlottesville está a ser palco de confrontos entre apoiantes da extrema-direita e pessoas que se lhe opõem

Getty Images

Há uma morte confirmada e pelo menos 20 pessoas ficaram feridas nos confrontos deste sábado entre manifestantes de extrema-direita e os seus opositores, em Charlottesville, no Estado da Virgínia. A morte terá sido consequeência de um atropelamento, depois de um veículo ter avançado contra um grupo de manifestantes que se opunha à marcha dos supremacistas brancos. A morte foi confirmada pelo presidente da Câmara da cidade, Mike Signer.

As autoridades já chegaram ao local e confirmaram à agência que um carro se dirigiu contra uma coluna de pessoas que marchavam numa rua da baixa de Charlottesville. O jornal Washington Post fala em seis peões “atingidos intencionalmente”. Um repórter da Associated Press viu pelo menos uma pessoa a receber tratamento no chão.

O Presidente dos Estados Unidos já reagiu aos confrontos. Através da rede social Twitter, Donald Trump condenou o “ódio e tudo aquilo que ele representa”. Trump diz ainda que “não há lugar para este tipo de violência na América” e pede que os americanos “se unam”.

No Estado de New Jersey, o presidente deu uma conferência de imprensa onde condenou a “intolerância, o ódio e a violência de todos os lados envolvidos” nos confrontos de Charlottesville pedindo. “Temos que nos amar uns aos outros, respeitar-nos e dar valor à nossa história — todos”, disse ainda Donald Trump que estava presente para assinar legislação que permitirá aos veteranos de guerra ter acesso a saúde privada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
União Europeia

É tempo de um Ano Europeu do Silêncio

Timothy Garton Ash

As palavras ultrapassam sempre os atos na política, mas mais na UE do que em qualquer outro lado. Portanto, aqui vai uma proposta modesta: os nossos líderes devem declarar um Ano Europeu do Silêncio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site