Catalunha

Protesto anti-turistas invade praia de Barcelona

2.153

O grupo de esquerda anticapitalista e separatista Arran ocupou este sábado uma praia na cidade de Barcelona em protesto contra o turismo em massa. Não é a primeira que sucede.

Um grupo de ativistas de Barcelona manifestaram-se este sábado contra a presença, que consideram exagerada, de turistas na cidade

AFP/Getty Images

Cerca de uma centena de residentes de Barcelona ocuparam este sábado a praia adjacente ao bairro de Barceloneta, um dos mais antigos e também dos mais turísticos da cidade, em protesto contra aquilo que consideram a usurpação dos espaços e dos recursos por parte de um número cada vez maior de turistas.

O turismo é uma das atividades mais lucrativas da região — representando cerca de 11% do produto interno bruto da Catalunha — e teve um papel importante na diminuição dos números do desemprego em Espanha, mas o grupo que mais tem lutado contra o turismo de massas, o Arran, considera que os dividendos da atividade não são distribuídos de forma igualitária, que os empregados nas áreas da hotelaria e restauração recebem salários muito baixos e que a pressão imobiliária está a expulsar as pessoas dos seus bairros.

“E agora querem as nossas casas”, lê-se no cartaz que um grupo de ativistas colocou a praia de Barcelona, este sábado JOSEP LAGO/AFP/Getty Images

Alguns do manifestantes usaram t-shirts com caveiras e slogans que tinham inscritas frases como “o turismo mata os bairros” ou “Barceloneta não está à venda”, escritas em catalão. Algumas pessoas fizeram os próprios cartazes em casa e preferiram escrever em inglês: “não queremos os turistas nos nossos prédios. Isto não é um resort“.

A tensão já levou a alguns episódios que as autoridades descreveram como “violentos” e “vandalismo”. Em julho, membros do Arran invadiram um restaurante perto da catedral em Palma de Maiorca, lançado very lights de várias cores e confetti para os pratos das pessoas que estavam a almoçar. Já em agosto, em Barcelona, quatro membros do grupo, encapuçados, pararam um autocarro, retalharam os pneus e escreveram frases contra o turismo nas janelas do veículo.

Antes deste episódio, já tinham aparecido várias frases anti-turistas nas paredes de alguns hotéis da capital da Catalunha, tal como em Valência e em Palma de Maiorca. As chefias do grupo sublinham que não são contra os turistas, mas contra o modelo de “exploração ultracapitalista do negócio”. Mariano Rajoy, primeiro-ministro espanhol, disse recentemente que nunca pensou ver-se “na necessidade de defender o setor do turismo” e disse que estas ações de “vandalismo” eram “completamente inaceitáveis”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site