Espionagem

Antigo agente Carvalhão Gil condenado por espionagem

O antigo agente Carvalhão Gil foi condenado a sete anos e quatro meses de prisão pelos crimes de espionagem e corrupção.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O funcionário do Serviço de Informações de Segurança (SIS) Frederico Carvalhão Gil foi condenado esta quinta-feira pelo Tribunal Criminal de Lisboa pelos crimes de espionagem e corrupção passiva para ato ilícito (agravado). A sentença envolve uma pena de sete anos e quatro meses de prisão, sendo que o antigo agente irá permanecer em prisão domiciliária com pulseira eletrónica. A defesa já anunciou que vai recorrer da decisão condenatória.

O julgamento decorreu à porta fechada por estar em causa matéria sigilosa relacionada com segredos de Estado. Além de Carvalhão Gil, o Ministério Público (MP) acusou o russo Sergey Nicolaevich Pozdnyakov, que integra os quadros dos serviços de informações russos (SVR), dos mesmos crimes, tendo sido decidido desanexar o processo.

De acordo com as alegações do MP, Carvalhão Gil tinha sido recrutado pelo Serviço Externo da Federação Russa (SVR) para prestar informações cobertas pelo segredo de Estado às quais tinha acesso, recebendo por isso vários pagamentos. Nesse contexto, terão acontecido três encontros entre o então funcionário do SIS e um oficial do SVR — neste caso, Sergey Nicolaevich Pozdnyakov — foi num desses encontros, em Roma, Itália, que Carvalhão Gil foi detido.

Os elementos da PJ que conduziram a operação encontraram na altura um documento manuscrito na posse do oficial do SVR, que lhe tinha sido entregue pelo agente do SIS, com informação confidencial e ao abrigo do segredo de Estado. Durante as buscas e consequentes apreensões de vários artigos e documentos, as autoridades encontraram 10 mil euros que lhe teriam sido entregues pelo oficial do SVR.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Modernices

Luis Carvalho Rodrigues

O problema não é a comida e sim que nos queiram obrigar a comê-la. Obrigar-nos da mesma maneira e com o mesmo argumento com que se obrigam as crianças: “é para teu bem”. 

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Igreja Católica

O deputado e o Cardeal

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Em Portugal, não é precisa nenhuma coragem para se ‘assumir’. Mas é necessário muito valor para alguém se afirmar católico, sobretudo se for fiel ao magistério e à tradição da Igreja.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site