Logo Observador
Jesus Cristo

A enigmática história da Páscoa

Autor
3.547

Passados dois mil anos, que tenho a ver com isto? Talvez perceber melhor que servir os outros é esquecermos-nos de nós, voltando-nos mais para fora, até ao limite das necessidades de quem anda frágil.

Que sentido faz para os não cristãos, para os descrentes, os cépticos e os mais duvidosos que se celebre a Páscoa e se fale em morrer por amor?

E que lógica tem um homem bom e inocente morrer pregado numa cruz?

E que história é essa de ser por mim e, actualizando ao dia, por mais sete mil milhões de outros? E que absurdo é este da Ressurreição? Morreu ou não morreu? Se está vivo, vive onde? E como?

Estas e outras interrogações igualmente pertinentes e absolutamente legítimas povoam o imaginário universal durante este tempo que corre. Mais ou menos indiferentes aos acontecimentos de há dois mil anos, homens e mulheres de todo o mundo acompanham o tempo de Páscoa. Ou seja, têm consciência de que existe, nem que seja porque há férias ou pausa e direito a descanso. Páscoa, para muitos, é sinónimo de férias na neve. Quando está calor, como neste ano, também se pode traduzir numa pequena antecipação das férias de verão, com praia e mar.

Nos telejornais há sempre mais notícias sobre o Papa, sobre o que ele diz e pede, mas também sobre cristãos que celebram a Páscoa de forma intensa e, porventura, bizarra. Habitualmente as imagens que chegam de outras culturas e latitudes mostram rituais brutais que ferem sensibilidades e afugentam eventuais buscadores de Deus, porque os caminhos do calvário revisitados por gente de cara ensanguentada que se autoflagela até à exaustão não apetecem a ninguém. Nem aos crentes.

As perguntas sobre a Páscoa e o sentido com que tudo foi vivido atravessam-nos a todos, pois custa a acreditar no amor perante a crueldade. Interpela-nos tanto a injustiça dos homens como a aparente injustiça de Deus, ao deixar morrer o Seu filho daquela maneira. Acontece que a fé, sem interrogações críticas, facilmente se transformaria em fanatismo. E todos sabemos como os fundamentalismos são perversos e distorcem a percepção da realidade.

Nunca me foi fácil acreditar em certos milagres e também tive sérias dificuldades para conseguir entrar no espírito da Páscoa. Talvez isso me faça escrever, não sei. Apenas sei que sendo crente, penso muito nos que não crêm. Vejo e sinto por dentro, conseguindo por-me também de fora. Aprendi com bons padres que o maior milagre é o da transformação interior e deixei de tropeçar naquilo que, para mim, era incompreensível e perturbador. Pacifiquei-me. Passei a olhar sem repugnância para um Jesus injuriado, flagelado, e sou agora capaz de enfrentar o Cristo crucificado porque o conheço melhor e o amo mais. Diz bem quem diz que só podemos amar aquilo que conhecemos. É verdade e aplica-se também a Jesus. Sobretudo a Ele.

Puxando o filme atrás, como um flashback no cinema, e recuando três anos antes da última ceia de Jesus, vemos um homem ainda jovem ganhar voz para começar falar às multidões, mas também vemos alguém profundamente inclinado ao silêncio e à intimidade da oração, bem como um amigo dos seus amigos e um aliado dos pobres, aflitos e desvalidos. Um homem que acolhe sem julgar, um coração que ama e revela a substância do amor, um advogado dos que se sentem marginalizados e excluídos, um defensor dos pobres e oprimidos, um justo que impede que se atire a primeira pedra e por aí diante.

Os critérios de Jesus são radicais e intemporais. Justíssimos, afinadíssimos e coerentíssimos, podem não ser adoptados por todos e até ser seguidos por poucos, mas continuam a ser imbatíveis. Jesus diz que não vale o ‘olho por olho’, atravessa todas as realidades com inteira liberdade e recusa todos os rótulos. Apregoa o amor ao próximo, sabendo que o próximo é muita gente. E que alguma desta gente nem sequer apetece ter perto. Estende a mão aos que lha pedem e avança em contra-corrente com confiança, espalhando essa mesma confiança. Contagiando pelo exemplo, interpelando pela acção. A sua bondade, a sua radicalidade e a sua paciência, bem como a sua capacidade de ouvir e estar inteiro nas cenas em que age pela palavra, por obras ou apenas pela presença, dizem muito sobre a sua natureza divina. Todos nós, humanos, temos as nossas incoerências e as nossas falhas; dizemos as nossas mentiras e permanecemos firmes nas nossas inverdades. Ele não. O mais céptico dos homens, o mais cínico e o mais rancoroso, o mais pragmático ou o mais criticista não conseguem encontrar-lhe nada no coração a não ser abertura aos outros. E entrega. E amor.

Neste flashback de três anos de vida pública acontece muita coisa, mas aquilo que mais impressiona é a maneira como resgata, como confia e ajuda a confiar. A sua atitude perante a adversidade, as suas palavras perante a maldade, a coragem com que vive apesar das mentiras e dos perseguidores. E a coerência de vida, sempre a coerência, sem a menor tentação de obter riquezas, lucros ou louros. Ajuda muito perceber a natureza da sua realeza, aliás, pois é nesse interesse pelos outros, nesse estar ao serviço dos que precisam que se revela o abismo de diferenças entre ele e os outros reis. Entre quem busca e exerce o poder, e quem busca apenas a verdade sem exercer poder absolutamente nenhum para além do amor resgatador.

Na última ceia, Jesus baixou-se, ajoelhou-se e lavou os pés aos seus amigos. Mais um gesto incompreensível para alguns deles, na altura, e para muitos de nós, agora. Estranho, alguém se importar tanto com os outros, ao ponto de se rebaixar para lhes lavar os pés sujos. Jesus não tinha uma profissão e muito menos a de pedicure, que é uma especialidade que todos agradecemos que exista e serve a muitos que precisam e pagam por esses serviços. Também não queria chocar nem fazer gestos extravagantes. Queria apenas mostrar como é que se vai ao encontro do outro. Como é que nos fazemos próximos quando os que estão perto precisam de sentir a força reparadora (e interpeladora, insisto) da humildade. O lava-pés revela a realeza de Jesus e prova que a sua magestade foi fazer aquilo que a todos repugnava, dando um exemplo incompreensível de serviço para todos os tempos. “Dei-vos o exemplo, para que, assim como Eu fiz, vós façais também”.

Voltando ao início e passados dois mil anos o que é que eu tenho a ver com tudo isto? Talvez perceber melhor que servir os outros é esquecermos-nos de nós, voltando-nos mais para fora, até ao limite das necessidades de quem anda frágil. Esta atitude prevalece em todo o calvário e na cruz. Jesus podia ter-se revoltado ou descartado culpas e era legítimo ter argumentado em sua defesa, uma vez que estava inocente. Ou podia ter fugido e escapado ao trágico desfecho.Também podia ter cuspido e ofendido de volta, lutando e resistindo a deixar-se levar pelos poderosos do seu tempo. No entato, não se lhe ouviu uma ofensa e este silêncio foi mais um sinal de coerência. Usou as palavras com critério, para falar às mulheres de Jerusalém, para falar a Sua mãe e para falar com o Pai. Só amor. Mais nada.

Esta não foi a primeira nem a última injustiça que se cometeu na História. Atrocidades tão grandes ou maiores do que pregar pessoas a cruzes continuam a acontecer todos os dias. Assim como muitas pessoas vivem mortificadas ou a sentirem-se pregadas à sua cruz todos os dias.

Tomás Halík resumiu bem a essência da fidelidade nas situações limite:

Mas onde é que Deus está, quando não há amor, quando só há crueldade, dor, pecado e sofrimento? Ele está presente na fé e na esperança paciente daqueles que, em tais situações, não se deixaram ultrapassar pelo mal. A crueldade, a dor e a indiferença não só têm os seus perpetradores, embora nem sempre as vejamos ou queiramos ver. As vítimas de violência podem ser sempre atraídas para o círculo da maldade, ansiando por vingança, mas também podem rejeitar esse anseio sinistro”.

Jesus deu também esse exemplo, no auge do sofrimento. E esse é, se calhar o maior enigma de todos. Mais do que tentar compreender o mistério da morte e da vida eterna, o grande enigma da Páscoa passa por contemplar quem, apesar de maltratado, foi capaz de amar e dar tudo até ao fim sem queixas nem vitimizações. Crentes ou descrentes, é impossível ser insensível à força deste amor e desta entrega, porque uns e outros sofrem, ou já passaram por muitos sofrimentos e injustiças, e sabem que a vida só se renova com amor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves
3.227

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade

Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

Barrigas de Aluguer

Cheira a negócio

Laurinda Alves
7.820

Eu, mulher e mãe, sentiria tanta repugnância em gerar um filho que não fosse meu como em desembaraçar-me dele no fim. Tudo isto é anti-natural. Tudo é artificial e, desculpem lá, tudo cheira a negócio

Jesus Cristo

Sem perdão?

Laurinda Alves
2.069

Mesmo sem ter a noção disso, a minha vida espiritual adulta construiu-se a partir da imagem da mulher que os homens queriam delapidar. Não por ela ou por eles, mas pela entrada de Jesus no cenário.

Papa Francisco

A Alegria do Amor: a verdade da Caridade

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
561

O ideal matrimonial e familiar cristão é exigente. Tanto que, quando Jesus Cristo enunciou a obrigação da indissolubilidade, alguns dos seus discípulos disseram: se é assim, então mais vale não casar!

Páscoa

Afinal, quem matou Jesus de Nazaré?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
790

Cristo não foi morto pelos judeus, mas pelos romanos, por Pôncio Pilatos e os seus soldados. Como explicar então que o primeiro Papa tenha ido viver na capital da pátria dos assassinos de Jesus?

Férias

O Sport-Billy não tinha filhos

Tiago Duarte

Há um dia em que um filho se transforma em pai e verifica que está sozinho. Só ele, a mala do carro e uma montanha de sacos e saquinhos que a sua mulher vai depositando na entrada da casa.