Orçamento do Estado

E se não houver segundo resgate?

Autor
929

Seria da mais elementar prudência não voltar a precisar de pedir dinheiro aos nossos parceiros europeus. É que nos arriscamos a descobrir que desta vez talvez ninguém se queira ingerir na nossa vida.

A narrativa orçamental do governo não pegou. Pouca gente parece disposta à “suspensão da descrença” que, segundo Coleridge, é necessária a qualquer ficção. Mário Centeno devia ter lido menos J.M. Keynes e mais H.P. Lovecraft. Algures, Lovecraft explica que no género fantástico é um erro exagerar na fantasia. No caso do Esboço do Orçamento de Estado para 2016, o governo exagerou. Os leitores reagiram: a Comissão Europeia, o Conselho de Finanças Públicas, a Unidade Técnica de Apoio da Assembleia da República, as agências de notação, a imprensa nacional e internacional – começam a ser demasiados os que não acreditam na ficção governativa de que gastar mais é a via para equilibrar as contas.

A “suspensão da descrença”, neste caso, tem ainda outra causa: a suspeita de que este neo-despesismo não corresponde a nenhuma política de “justiça social”, mas à simples necessidade de pagar ao PCP o seu apoio parlamentar, satisfazendo as suas clientelas sindicais – o que também explica a entrega do ensino público à tutela de Mário Nogueira. Por enquanto, as larguezas monetárias do BCE mantêm os mercados anestesiados, e portanto os mercados servem ainda às musas governamentais para se passarem a si próprias atestados de bom comportamento. A Comissão Europeia, pelo contrário, já foi processada por ingerência. Os defensores da soberania orçamental esquecem-se de um pormenor: a Comissão Europeia interfere nos nossos orçamentos, não apenas porque estamos no Euro, mas porque nós interferimos nos orçamentos dos outros europeus, pedindo-lhes dinheiro para os nossos défices. Para Catarina Martins, é tudo uma questão de Costa mostrar que é “diferente de Passos Coelho”. Mas o país não é diferente: continua a ser aquele que em 2011 entrou em bancarrota.

No meio disto, começa a haver quem receie o pior. E o pior, segundo consta, seria um “segundo resgate”. É curioso. Os portugueses conseguiram mesmo convencer-se de que o ajustamento financeiro negociado em 2011 com a Comissão Europeia, o BCE e o FMI foi a maior calamidade que nos podia ter acontecido. Nunca quisemos compreender que foi uma ajuda. Nunca chegámos a entender que, sem o programa de ajustamento, teríamos tido uma bancarrota, em relação à qual a “austeridade” está como um resfriado para uma pneumonia. Não, o pior que nos pode acontecer não é um “novo resgate”. E portanto, há que fazer a pergunta: se não houver outro resgate? E se, quando nos faltar o dinheiro e o crédito, não houver ninguém para nos emprestar, para nos dar tempo, para confiar em nós?

A União Europeia de 2016 já não é a de 2011. Os políticos europeus que em 2011 fizeram aprovar a ajuda a Portugal, e que depois nos foram concedendo novas metas e novos prazos, talvez não o consigam fazer uma segunda vez. Em 2014, quando Portugal se voltou a financiar por si no mercado das obrigações, esses políticos ainda puderam  dizer aos seus eleitores que tinha valido a pena, que os portugueses haviam aproveitado a oportunidade. Mas agora? A Grécia, o ano passado, testou os limites da tolerância dos outros contribuintes europeus. Desde então, tudo piorou. O fluxo de migrantes agravou o peso do euroceptismo nos governos. O confisco da Dinamarca, a expulsão da Suécia, a privação da nacionalidade em França são sinais de que a Europa de 2010 e de 2011, que votou milhões de euros de auxílio à Grécia, à Irlanda, a Chipre, à Espanha e a Portugal, talvez já não exista. Seria da mais elementar prudência não voltar a precisar de lhe pedir dinheiro. É que nos arriscamos a descobrir que desta vez talvez ninguém se queira ingerir na nossa vida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos
2.691

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Catalunha

A Catalunha dos separatistas não é Portugal

Rui Ramos
935

Uma República Catalã dominada pelo esquerdismo revolucionário, com fronteiras incertas e abarcando milhões de espanhóis contrariados, nunca seria mais um pacato Portugal na Península Ibérica.

Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site