Fogo de Pedrógão Grande

“Para inglês ver”

Autor

Quando toda a energia do Governo é em última análise canalizada para a manutenção do seu apoio, é fatal que o Estado se degrade e a pouco e pouco, se fragmente, se transforme em algo para inglês ver.

Não sei se há outras línguas que possuam, como a nossa, uma expressão como “para inglês ver”. Por mim, não me lembro de nenhuma. Mas é verdade que em Portugal cai às mil maravilhas. Sob o olhar do outro, do estrangeiro, vamos fingir que tudo corre como deve ser, civilizada e ordeiramente. Respeitamo-nos uns aos outros impecavelmente e cumprimos a lei. Mas saindo para fora do campo do olhar alheio tudo muda. O respeito e o resto eram ludíbrio e cada um se desenvencilha como pode, sacudindo, se a situação o reclamar, a água do seu capote. Vai-se ver e era tudo para inglês ver. Um artifício.

O problema é que às vezes o reino das aparências se desmorona às claras, aos olhos de todos. Nestes dias posteriores à tragédia de Pedrógão Grande viu-se isso na perfeição. Os serviços do Estado entraram em guerra aberta entre si. A Protecção Civil, a GNR, o SIRESP e o Ministério da Administração Interna (devo estar a esquecer-me de mais alguns) tentaram passar a responsabilidade da catástrofe, nomeadamente das vítimas da “estrada da morte”, uns para os outros. Mais: a própria ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, tentou, num gesto inédito, passar a culpa para o seu próprio ministério, ao mesmo tempo que se inocentava a si mesma, protestando o seu sofrimento pessoal. E também, por causa do SIRESP, para o Governo anterior, como mandam as regras, no que tem sido generosamente acompanhada pelo ministro da Agricultura, Capoulas Santos. Quando o Estado não protege os cidadãos, é legítimo, como se sabe, que cada um se defenda a si mesmo. Mas o espectáculo da fragmentação do Estado em corpos individuais que, no seguimento de uma tragédia das proporções desta, se procuram proteger a si mesmos uns dos outros transmite a ideia que a sua unidade é ela mesma uma ficção para inglês ver.

O Governo de António Costa, por mais equívoca que tenha sido a sua gestação, é de uma legitimidade à prova de bala. E por mais dúvidas que existam quanto à justeza das suas políticas, ninguém são de espírito deseja catástrofes de qualquer espécie que o removam do poder. Sobretudo deste tipo, é claro, mas também daquelas, económicas e financeiras, que muitos advertem serem praticamente inevitáveis. Por mim, sem um pingo de dúvida, ficaria feliz como um cuco se os meus medos não se realizassem. E meteria com agrado a viola no saco se o que me parece provável não se realizasse de todo. António Costa, que se saiba, não é um louco como Nicolás Maduro, embora entre aqueles que apoiam o Governo haja gente que aprecie imenso o homem da Venezuela.

Acontece, no entanto, que a indescritível barafunda posterior à tragédia pode revelar algo de próprio a este Governo. A sabedoria mediática diz prodígios da habilidade de Costa, e, se entendermos por “habilidade” a capacidade de conquistar o poder contra todas as probabilidades, depois de ter perdido as eleições, e de o ter sabido, não menos improvavelmente, manter, a coisa é indiscutível: o homem é mesmo hábil. E essa habilidade é certamente uma virtude política. Mas, e aí reside o problema, essa virtude política é coxa se não for acompanhada de uma outra, que é a da concepção do Estado como algo de mais profundo que o simples lugar a partir do qual se podem satisfazer as clientelas que nos apoiam: como algo que nos permita efectivamente pensar o futuro sob o signo de uma certa confiança e estabilidade. E aqui Costa parece falhar. Não digo que falte a intenção, essa tê-la-á certamente. Falta é, com toda a probabilidade, o tempo. Por mais hábil que Costa seja, o tempo consumido no exercício dos seus particulares dotes, da sua “habilidade”, não lhe permite dedicar-se suficientemente ao resto, ao que deveria ser verdadeiramente essencial. Por detrás da habilidade, como muitas vezes, a fragilidade.

O que aconteceu em Pedrógão Grande não é obviamente da responsabilidade pessoal de Costa: a repartição das culpas deve ser vasta. Mas a barafunda consequente, o espectáculo das várias acusações recíprocas, já, em certa medida, o é. Quando toda a energia do Governo é em última análise canalizada para a manutenção do seu apoio, uma espécie de barco de Teseu que perpetuamente se reconstrói durante a sua viagem, é fatal que o Estado se degrade e a pouco e pouco, se fragmente, se transforme em algo para inglês ver. E não vão ser os afectos de Marcelo, também ele um mestre das aparências, a livrar-nos das consequências desta aventura indesejável.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Debate

Desimportantizar os caraoqueiros

Paulo Tunhas

O pensamento-karaoke funciona como obstáculo a que se procure entender o que se passa à nossa volta. Os caraoqueiros estão-se, de resto, nas tintas. Só querem caraocar mais alto do que os outros.

Hollywood

Fragilidade ou impureza?

Paulo Tunhas

Hollywood segrega agora um macartismo da sua própria lavra, talvez não menos horrível do que o outro e recebendo a beatífica unção do “anti-trumpismo”. O grotesco passou a ter ali um lugar de eleição.

Política

Partidos e vizinhos

Paulo Tunhas

A associação secreta vulgarmente referida por Assembleia da República e a Câmara de Lisboa decidiram contribuir generosamente para confortar os cidadãos na sua pouco simpática visão da classe política

Pobreza

Em nome dos filhos

Diogo Prates

Esta é a oportunidade de a direita portuguesa conseguir com um discurso simples mas eficaz apagar de vez a imagem de que a esquerda é a única que se preocupa com os mais pobres e desfavorecidos. Não é

António Costa

O péssimo selvagem

Alberto Gonçalves

Numa única frase, o dr. Costa conseguiu incluir “tivemos”, do verbo “ter”, e “tive”, do verbo “tar”, sem perceber que um dos vocábulos apenas cabe nas sofisticadas conversas das altas esferas do PS.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site