Logo Observador
Conflito na Síria

Reviravolta da política externa russa na Síria?

Autor

O anúncio da retirada parcial das tropas russas da Síria não passa de mais uma operação de propaganda do Kremlin sem grandes resultados reais no terreno.

Ao anunciar, com pompa e circunstância esta “iniciativa de paz”, o Presidente russo Vladimir Putin justificou-a: “o trabalho efectivo das nossas tropas criou as condições para o início do processo de paz… Acredito que a tarefa pedida ao ministro da Defesa e às Forças Armadas russas foi, no geral, cumprida. Com a participação do Exército russo, as forças armadas sírias e as forças patrióticas sírias conseguiram progressos irreversíveis na guerra contra o terrorismo internacional, tendo-lhes cabido quase sempre a iniciativa”.

Porém, se nos lembrarmos de declarações anteriores de dirigentes russos, vemos que não eram esses os objectivos proclamados. Em Fevereiro deste ano, Serguei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, declarou: “Os ataques aéreos russos não terminarão até que vençamos realmente as organizações terroristas: DAESH, Jebhat-na-Nursu” e outras semelhantes. Não vejo fundamentos para suspender esses ataques”. Ao que se sabe, esses grupos terroristas continuam a controlar grande parte do território sírio.

O facto de o anúncio ter sido feito na véspera do início das conversações entre a oposição moderada síria e a ONU em Genebra pode parecer uma forma do Kremlin ir ao encontro de uma das principais reivindicações dos opositores de Bashar Assad, que exigia o fim dos bombardeamentos russos e a retirada dos militares da Síria.

Porém, é de sublinhar que a retirada das tropas russas é parcial, continuando Moscovo a controlar a base aérea de Hemeimiem, na província costeira síria de Latakia, e as instalações russas no porto de Tartus.

Por isso, a qualquer momento, as tropas russas podem regressar. “Ficará um contingente necessário para manter as bases militares na Síria. É preciso prever todas as possibilidades caso precisemos de voltar à Síria”, comentou Victor Ozerov, Presidente do Comité do Conselho da Federação (Câmara Alta do Parlamento Russo) para a Defesa e a Segurança.

Isto põe em causa as declarações de Putin de que “as tropas sírias e forças patrióticas na Síria conseguiram de forma radical mudar a situação na luta contra o terrorismo internacional e chamar a si a iniciativa em todas as direcções”.

Pelos vistos, Vladimir Putin considerou ter conseguido o objectivo de manter a influência russa na Síria ao controlar parte da costa marítima do país. Na semana passada, Moscovo recusava terminante a ideia de federalização da Síria, mas, na segunda-feira, Serguei Lavrov declarou que a Rússia aceita esse cenário se “essa for a vontade do povo sírio”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

Putin desiste de Donald Trump

José Milhazes
265

Os Estados Unidos já prometeram responder à bofetada sem luva desferida pelo Kremlin, o que pode levar a uma espiral de sanções e contra-sanções pois nem Trump ou Putin quererão dar sinais de fraqueza

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.