Governo

Um governo nos arames

Autor
325

Vejamos se Costa, que tão maquiavelicamente manobrou o caminho para chegar a primeiro-ministro, lhas consegue dar. Não confundo desejos com previsões e, apesar de prever o pior, desejo-lhe o melhor.

Lembro-me de, em tempos, ter lido uma entrevista a Cavaco Silva, ainda primeiro-ministro, em que lhe perguntaram se via alguma vantagem em ser economista. De memória, lembro-me de Cavaco ter respondido que a principal vantagem era ter bem interiorizado algumas ideias fundamentais, como a noção de escassez e de custo de oportunidade. Ou seja, Cavaco sabe bem que é vão procurar a melhor solução, apenas pode procurar a melhor solução entre as alternativas possíveis.

É por não conseguir imaginar melhor alternativa à indigitação de Costa que me surpreendeu todo o tempo que Cavaco demorou a chegar a esta conclusão. Fiquei também admirado com a lista de enigmas que Cavaco deu a António Costa. Se as respostas não agradassem a Cavaco, o que faria? Não indigitaria Costa como primeiro-ministro? Por muito assustadora que seja a ideia de ver Catarina Martins e Jerónimo de Sousa a segurar um arame em cima do qual António Costa faz equilibrismo, qualquer outro governo seria pior. É a TINA aplicada à formação de governo: There Is No Alternative!

Durante estes 50 dias, o Presidente da República comportou-se como as minhas filhas. A mais nova, tal como Cavaco, quando é obrigada a fazer o que não quer, arrasta os pés muito devagarinho. É assim todas as noites quando tem de ir para a cama. São 10 minutos a fazer um percurso que demora meio minuto. Já a minha filha mais velha, sete anos, quando não quer fazer uma coisa, costuma, à primeira, gritar que não faz. Depois, torna a dizer o mesmo, mas com uma voz mais suave e, claro, insiste mais uma vez que não quer fazer, já muito baixinho. Depois, lá se conforma e faz o que tem a fazer, murmurando para si mesma contra a injustiça de que é alvo. Também ela me faz lembrar Cavaco a gerir esta crise. Num primeiro discurso, quando indigitou Passos Coelho, falou muito grosso dando a entender que se recusaria a indigitar um governo com o apoio de partidos que fossem contra a NATO ou contra as regras do Euro. Num segundo discurso, quando deu posse a Passos Coelho, voltou a dizer o mesmo, mas de forma mais suave, ficando a ideia de que poderia mesmo dar posse a Costa num futuro próximo. Finalmente, ontem, quase conformado, mandou uma lista de perguntas, voltando a insistir nos mesmos temas, mas deixando claro que faria o que tem a fazer. Já hoje, tomou devida nota das respostas e “indicou” Costa como primeiro-ministro. As minhas filhas não fariam melhor.

Mas, reconheço, posso estar a ser injusto. Afinal, as instituições têm os seus ritmos. Este tempo serviu não só para o Presidente se convencer, mas também para convencer os dirigentes e apoiantes do PSD e CDS.

A única vantagem de Costa ter esperado tanto tempo é que ficámos logo a conhecer a composição do seu governo. Quatro mulheres em 17 ministérios. Ainda bem que não há quotas. Se, por absurdo, houvesse uma quota mínima de um terço, Costa ver-se-ia obrigado a escolher duas ministras incompetentes para ocupar o lugar de dois dos 13 competentes ministros. Era uma pena escolher alguém tão incapaz em detrimento de outrem, apenas por razão do seu sexo.

Ironias à parte, há alguns erros de casting óbvios. Por exemplo, não percebo que experiência tem um investigador oncológico, há 15 anos fora do país, para ficar com o Ministério da Educação. No Ministério da Educação, terá de enfrentar uma das máquinas do Estado mais difíceis de gerir. Lidará com super-agrupamentos escolares, enfrentará interesses corporativos instalados, organizará concursos e colocações de professores sempre problemáticos. É certo que às vezes é bom vir alguém de fora com ideia arejadas, mas neste caso, num ministério que está constantemente em guerra, sempre com avanços e recuos nas mais diversas áreas (seja na avaliação de professores, seja nos exames dos alunos), seria bom procurar estabilidade. A escolha de alguém que vem de fora, e cujas ideias são desconhecidas, é demasiado arriscada. Mas há mais surpresas. Augusto Santos Silva não é conhecido pela sua diplomacia, pelo que me surpreende nos Negócios Estrangeiros. Mas, em tempos de guerra, até é capaz de ser uma boa escolha. Não sei se não será inédito ter um pai e filha e marido e mulher no mesmo governo, mas pode ser que esta estranheza passe com o tempo.

Regra geral, o primeiro-ministro António Costa apresentou nomes fortes e que, se tivessem condições, poderiam desempenhar bem os seus cargos. Centeno, Caldeira Cabral (declaração de interesses: sou seu amigo e colega), Leitão Marques, Manuel Heitor, Vieira da Silva (adivinhem se falo do pai, da filha ou de ambos), Van Dunem têm créditos firmados. A dificuldade será mesmo garantir que tenham condições. Vejamos se Costa, que tão maquiavelicamente manobrou o seu caminho para chegar a primeiro-ministro, lhas consegue dar. Não confundo desejos com previsões e, apesar de prever o pior, desejo-lhe o melhor.

PS. Temos direito às nossas opiniões, mas não aos nossos factos. No meu artigo da semana passada, entre outras coisas, disse que o Ministério da Educação de Crato não reduziu as transferências para os colégios privados. Alexandre Homem de Cristo, a quem agradeço, apresenta dados objectivos que contrariam esta asserção (ver o ponto 2 desta entrada). Fica a correcção feita.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Drogas

Canábis, uma oportunidade a não perder

Luís Aguiar-Conraria
606

Os efeitos positivos são visíveis: aumenta-se a liberdade das pessoas, reconhecendo que são adultos capazes de tomar decisões, e aumentam-se as receitas fiscais em centenas de milhões de dólares.

Salário Mínimo Nacional

Quando os factos mudam

Luís Aguiar-Conraria
280

Para todos os efeitos relevantes no debate público, enganei-me. O desemprego desceu bastante, a redução do peso dos salários no rendimento nacional foi estancada. Ainda bem que não me deram ouvidos.

PSD

Carta Aberta a Rui Rio

Paulo Trigo Pereira

Na próxima legislatura, que será ainda muito exigente em termos financeiros (em particular em 2021) há acordos estruturais que terão forçosamente de incluir os dois grandes partidos nacionais.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site