Aqui há coincidência. Das grandes. Holanda e Chile, as duas seleções, a jogar com três centrais e tudo, partilham o facto de terem vencido (e bem) o ainda campeão do Mundo. Louis Van Gaal e Jorge Sampaoli, nomes e apelidos dos seleccionador destas equipas, pegaram ambos no carimbo e fecharam o envelope com que a Espanha regressará a casa. Foram estes europeus e sul-americanos que, com uma vitória cada, obrigaram a seleção ibérica a ser a quinta campeã em título a despedir-se de um Mundial na fase de grupos. Havia melhor forma de injetar motivação nestes jogadores?

Holanda: Cillessen; Janmaat, Vlaar, De Vrij e Blid; De Jong, Wijnaldum e Sneijder; Lens, Robben e Kuyt.

Chile: Bravo; Isla, Silva, Medel, Jara e Mena; Gutiérrez, Aránguiz e Díaz; Vargas e Sánchez.

Só uma — terminar um grupo onde muitos viam morte como a seleção que mais vivaça chegaria aos oitavos de final da Copa. Ou seja, garantir o primeiro lugar. Os holandeses facilitaram a sua própria tarefa e lembraram-se de marcar muitos golos contra a Espanha e a Austrália — têm o melhor ataque do Mundial, com oito golos, a par dos franceses. Foram prudentes. Mais do que os chilenos, os amantes das correrias que ‘apenas’ marcaram cinco e ficaram no lado mau do confronto direto. Talvez por isso Van Gaal optou por experimentar e trocou algumas peças no onze. A melhor arma holandesa, porém, ficavam em campo. Arjen Robben, claro.

A teoria, portanto, aconselhava a esperar por uma Holanda contida e um Chile atrevido, como sempre. Ao início, a prática só deixou que metade da previsão estivesse certa. Os europeus estavam mais calmos, certo. Quando era laranja, a bola circulava lentamente e nem os sprints de Robben a Holanda queria aproveitar. “Calma rapazes, o empate é nosso amigo”, era o sussurro que parecia entrar nos ouvidos dos 11 holandeses. Eles deixavam-se embalar.

O Chile, montado com três centrais e dois laterais colados às linhas, conseguia sempre tirar a bola dos sítios onde os holandeses decidiam pressionar. Os minutos passavam e a bola tornava-se cada vez mais uma propriedade chilena. A meio da primeira parte, a estatística mostrava que a La Roja sul-americana tinha 75% da posse de bola. És mucho. Pois é, mas além de um cabeceamento de Eduardo Vargas por cima da baliza, aos 13′, e um remate de Gutiérrez, aos 23′ — num daqueles cantos que mandam a bola rasteira para a área –, perigo era coisa que não se via.

Aos 26 minutos, o pé direito de Wesley Sneijder, a quem pertence todo e qualquer livre, bateu a bola e deu à Holanda o primeiro remate à baliza. Inofensivo. Aos 35′, uma cabeçada na bola do central De Vrij, num canto, chegou para arregalar os olhos aos chilenos, embora não acertasse na baliza. De resto, este filme tinha poucas reviravoltas — os holandeses não gastavam esforços, deixavam os chilenos passearem com a bola e só atacavam quando anteviam que um contra-ataque fosse valer a pena. Aos 39′, Robben achou que sim, apanhou a bola na linha do meio campo, correu com ela e, já na área, o seu remate rasteiro não acertou na baliza por pouco.

Jermain Lens, avançado que fugiu do PSV para o Dinamo de Kiev, na época passada, também remataria ao lado, aos 42′. Depois, a fechar a primeira parte, a resposta vinha do mesmo chileno: Gutiérrez, agora com a cabeça, rematava ao lado após um cruzamento de Marcelo Díaz, vindo de um livre. Sumário dos primeiros 45′ — estavam dez holandeses contentes com o empate; Robben era o único farto do tédio da equipa; a bola era do Chile na maioria do tempo; mas os sul-americanos só se aproximavam da baliza de Cillessen com jogadas vindas de cantos ou livres.

Para a segunda parte, Jorge Sampaoli quis esticar a Holanda e tentar abrir espaços entre os europeus. Tirava Gutiérrez, um médio centro, e metia em campo Jean Beausejour, extremo do Wigan. Desmontava o 3-5-2 e passava a um 3-4-3, metendo Sánchez e o tal Beausejour nas alas para darem companhia a Isla e Mena, os laterais. Arriscava por confiar na lei das probabilidades — que dizia ser bastante provável o Brasil vencer os Camarões, acabar na liderança do Grupo A e calhar com o Chile nos oitavos de final.

O risco só compensou (a sério) aos 63′, quando a velocidade de Alexis Sánchez o soltou das marcações holandeses. Tão rápido foi que deixou fugir a bola e, ao tentar apanhá-la junto à linha lateral, esbarrou no corpo do guarda-redes Cillessen. Penálti? Nem pensar. Dois minutos depois, o craque chileno quis vingar-se, agarrou a bola à esquerda, fintou dois holandeses e, de novo encostado à linha de fundo — ou seja, quase sem ângulo -, rematou ao boneco. Perdão, contra o corpo de Cillessen. Aos 66′, o mesmo holandês voltou a fartar-se da inércia laranja e a mostrá-lo, quando rematou de pé esquerda uma bola que Omar Bravo defendeu como pôde.

https://twitter.com/FootballVines/status/481128672716271616

Tarde e a más horas, sim, mas o despertador tocava e a Holanda acordava. E para o garantir, trocava Jeremain Lens por Memphis Depay, aos 69′ e, aos 75′, era a vez de Leroy Fer entrar para o lugar de Wesley Sneijder. Eram os dois baldes de água que a equipa precisava para saltar da cama onde estava. Aos 76′, Depay dispara e obriga Claudio Bravo a fazer uma valente defesa. No canto que daí resulta, a bola é cruzada para a área, encontra a cabeça de Fer e acaba na baliza chilena. O 1-0 surgia 90 segundos depois de o médio do Norwich entrar em campo. Ou seja, era o golo mais rápido marcado por um substituto neste Mundial. Era obra.

https://twitter.com/FootballVines/status/481133209837518848

E continuou a sê-lo até ao final. Com o golo sofrido, o Chile desnorteava-se e já tentava chegar à área holandesa sem ordem. Passou a ter muitos jogadores a correr com a bola no pé e poucos a pensar na melhor maneira de a usar. Nada criaram que parecesse acabar em golo. Aos 90′, já com o fim iminente, Arjen Robben lançou-se na sua última correria. Quando chegou perto da área, cruzou a bola a meia e, à frente do poste direito da baliza chilena, Memphis Depay desviou-a para as redes. 2-0, segundo golo do extremo nesta Copa e o terceiro marcado por holandeses que começaram um jogo no banco.

The end. O jogo terminava e a classificação não se mexia. Holanda em primeiro, Chile em segundo. A laranja, da qual ninguém esperava que se pudesse espremer tanto sumo, ganhou os três jogos da fase de grupos, acabando sempre com menos posse de bola que o inimigo. Marcou dez golos, sofreu três e contribuiu para fazer deste Grupo B o que mais golos deu (até agora) ao Mundial — 22. Este resultado não mancha a reputação dos chilenos: continuam a ser perigosos, rápidos e têm craques na equipa. Mas não os livrou de, quatro anos depois, poderem voltar a encontrar o Brasil nos oitavos de final de um Mundial. Em 2010, na África do Sul, perdeu por 3-0.

E agora, como vai ser? Calma. Primeiro, os brasileiros têm que vencer os Camarões — ou empatarem e o mesmo acontecer no Croácia-México — para o duelo com os chilenos se confirmar.