Os partidos com assento na comissão de orçamento e finanças pediram uma audiência à porta fechada com o governador do Banco de Portugal, com o objetivo de obter esclarecimentos sobre a situação atual do BES, mas Carlos Costa rejeitou o pedido dizendo que, para dizer mais do que considerações gerais, só com uma comissão de inquérito.

O pedido dos deputados era para que o governador do Banco de Portugal prestasse alguns esclarecimentos à porta fechada, e apenas aos coordenadores dos partidos com assento na comissão, sobre a situação do BES e do sistema financeiro. No entanto, Carlos Costa terá respondido, segundo o presidente da comissão, Eduardo Cabrita, que a atual legislação em vigor, nomeadamente sobre o sigilo bancário, que não teria nada a acrescentar ao que já disse em público e ao que poderia dizer publicamente.

Carlos Costa sugeriu, ainda, que a única forma que podia ir mais além do que tem dito só com os moldes de uma comissão parlamentar de inquérito – que também tem a possibilidade de se realizar à porta fechada -, o que não existe nesta altura.