O jovem paquistanês Sajjad Ahmed, 31, e Muafia Bibi, 17 anos, casaram por amor. Uma semana depois foram mortos pela família para servirem de exemplo a outras raparigas para não se casarem sem a autorização dos pais.

Segundo noticia o The Telegraph, alguns moradores de Satrah, em Punjab, dizem que os familiares da noiva lhes cortaram as gargantas e obrigaram as crianças a assistir.

Segundo relata o repórter Rob Crilly, a polícia local disse que prendeu cinco pessoas que estarão envolvidas com o assassinato do casal, incluindo o pai e avô da noiva. O chefe da polícia local afirmou tratar-se de um crime de honra, que o casal tinha sido morto com facas e apresentava sinais de tortura.

A localidade de Satrah, próxima da cidade de Sialkot, é conhecida por ser uma zona conservadora nos costumes e onde as mulheres pouco valor têm além de servir para casar.

Os crimes de honra não são novidade no Paquistão, mas têm sido encarados como acidentes domésticos ou suicídios. Segundo grupos de defesa dos direitos humanos, em 2013 foram denunciados quase 900 destes crimes, mas sublinham que o número real poder ser maior.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O tema dos crimes de honra voltou a estar sob atenção do mundo depois de no mês passado uma mulher paquistanesa ter sido apedrejada até à morte pela família e pelo ex-noivo. O crime aconteceu porque a jovem se recusou a casar com o primo, tal como estava combinado com a família.