Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os lugares nas comissões do Parlamento Europeu foram votados esta quinta-feira e apesar do interesses revelados pelos chefes das delegações dos partidos portugueses, nenhum eurodeputado luso tem lugar efetivo na comissão de Comércio Internacional onde se acompanham as negociações do Tratado de Comércio Livre com os Estados Unidos (TTIP) através de consultas regulares com a Comissão Europeia que representa os 28 Estados-membros na preparação do diploma. Portugal reforça posição nos assuntos económicos e nos orçamentos.

O Parlamento Europeu tem 20 comissões onde os eurodeputados acompanham e se pronunciam sobre temas de interesse para os Estados-membros, sendo os lugares nestas comissões previamente combinados pelas grandes famílias políticas representadas na instituição. É aqui que se esgrimem os interesses dos vários países e se deve defender a posição e ponto de vista nacionais. Neste novo mandato após as europeias, os partidos políticos portugueses apostaram na representação nos assuntos económicos, conseguindo três lugares na Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários com Elisa Ferreira do PS, Marisa Matias do Bloco de Esquerda e Miguel Viegas da CDU.

Também no Emprego e Assuntos Sociais há três representantes portuguesas: Sofia Ribeiro (PSD), Maria João Rodrigues (PS e vice-presidente do grupo dos socialistas europeu) e Inês Zuber (CDU). Outra das comissões muito disputadas entre os eurodeputados das várias nacionalidades foi a da Indústria, da Investigação e da Energia – devido à possível concretização da União Europeia da Energia – tendo o socialista Carlos Zorrinho conseguido assento o único assento para Portugal. José Manuel Fernandes, eurodeputado do PSD, será vice-presidente da Comissão dos Orçamentos (e líder da bancada do PPE nesta comissão) onde está também o ex-ministro de Sócrates, Pedro Silva Pereira.

Marinho e Pinto foi o único português a ficar na pasta dos Assuntos Jurídicos, enquanto que o número dois do MPT, José Inácio Faria, fica no Ambiente.

Os portugueses ficaram, no entanto, arredados da comissão do Comércio Internacional onde se estão a acompanhar as negociações do TTIP, um dos maiores tratados de comércio livre jamais assinados pela União Europeia. Apesar de não participar directamente, o Parlamento acompanha e ouve os relatos da Comissão Europeia sobre os encontros com os norte-americanos produzindo recomendações. Este acordo começou a ser negociado quando Vital Moreira, eurodeputado socialista, ainda era o presidente desta comissão. Apesar de não ter representantes efetivos, há portugueses como suplentes que podem acompanhar sem intervenção direta os trabalhos. Das 20 comissões, há ainda mais três onde Portugal não está representado: Controlo Orçamental, Cultura e Educação e Petições.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR