A polícia israelita deteve seis suspeitos do homicídio de Mohammad Abu Khdeir, o jovem palestiniano assassinado na quarta-feira num aparente ato de vingança de Israel. O cadáver, que foi encontrado “totalmente carbonizado” em Jerusalém Oriental, foi entregue aos pais depois de autopsiado. A polícia israelita disse à BBC que a vítima foi morta por causa da sua nacionalidade, o que leva a crer que os autores do assassinato sejam extremistas israelitas.

Os resultados preliminares da autópsia , segundo a agência de notícias palestiniana Ma’an, deram conta de que o adolescente foi “queimado vivo”. “As queimaduras que cobriam 90% do seu corpo e complicações que daí derivaram foram a causa directa da morte”, confirmou este sábado o procurador-geral palestiniano Mohammed al-A’wewy, que explicou também que o adolescente tinha fumo nos pulmões e um ferimento na cabeça.

Mohammed Abu Khdeir foi raptado às portas da sua casa na quarta-feira quando se preparava para ir rezar na mesquita da cidade de Shoafat, e apareceu horas depois numa floresta na zona de Jerusalém Oriental. O rapto do jovem palestiniano terá sido uma represália pelo sequestro e posterior morte de três adolescentes na Cisjordânia, um ato pelo qual Israel responsabilizou o grupo islamita do Hamas.

O cortejo fúnebre ficou marcado pelos confrontos com a polícia israelita. Os manifestantes começaram por atirar pedras, a que a polícia respondeu com gás lacrimogéneo e balas de borracha — em consequência foram detidos 22 árabes israelitas. Um dos detidos foi Tariq Khdeir, um adolescente palestiniano-americano e primo de Mohammad Abu Khdeir, que terá sido agredido quando foi detido pela polícia.

Tariq Abu Khder (C), a Palestinian-US teenager who was allegedly beaten during police custody, is hugged by his mother (L) following a hearing at Jerusalem Magistrates Court on July 6, 2014. Tariq Abu Khder, who was arrested in Shuafat during violent clashes between stonethrowers and Israeli riot police, "was given nine days house arrest in Beit Hanina for the duration of the investigation" into stonethrowing allegations, police spokeswoman Luba Samri said in a statement. AFP PHOTO / AHMAD GHARABLI        (Photo credit should read AHMAD GHARABLI/AFP/Getty Images)

Tariq Khdeir com a sua mãe. Créditos: AHMAD GHARABLI/AFP/Getty Images

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A BBC já disponibilizou um vídeo onde é possível ver o momento da agressão ao jovem. As versões sobre a origem da agressão divergem. A polícia israelita garante que Tariq fazia parte dos manifestantes que se revoltaram contra as forças de segurança, enquanto o jovem alega que estava apenas a ver os protestos quando a polícia o agarrou. Tariq terá que ficar em prisão domiciliária durante nove dias.