Mais de 270 pessoas foram mortas, a maioria executada, por jihadistas num campo de gás na Síria, numa das piores atrocidades cometidas por este grupo que opera também no Iraque.

“Mais de 270 pessoas foram mortas no campo de gás de Chaer, atacados quinta-feira por jihadistas”, revelou à Agência France Presse (AFP) o diretor do Observatório sírio para os Direitos Humanos, Rami Abdel Rahmane.

A maioria das vítimas foi baleada depois de ter sido feita prisioneira naquele campo de gás, após um ataque em que participaram centenas de combatentes do Estado Islâmico (EI), vindos de todos os quadrantes, explicou Rahmane.

Segundo aquele observatório, tratou-se da operação mais mortífera praticada por este grupo extremista desde o seu surgimento, o ano passado, na Siria.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As forças do regime de Bachar-al Assad já enviaram, entretanto, forças para o local onde se travam combates, tendo a contra-ofensiva causado já pelo menos 40 mortos do lado do Estado Islâmico. Onze soldados do regime sírio foram mortos e dezenas de outros ficaram feridos.

O campo de gás de Chaer situa-se numa zona desértica da província central de Homs, onde tambéme existem campos petrolíferos.

A maioria das vítimas abatidas pelos jihadistas são guardas do complexo, mas entre os mortos estão pelo menos 11 trabalhadores.

Um vídeo colocado pelos jihadistas do EI no Youtube mostra dezenas de corpos, alguns baleados na cabeça e outros mutilados.

Num outro vídeo, um jihadista posa diante dos corpos. Fala em alemão e profere insultos em árabe.

O EI, que controla vastos territórios na Síria e no Iraque e anunciou em junho a criação de um “califado” islâmico, é acusado de praticar as piores atrocidades aos seus inimigos, como crucificações e execuções sumárias.

A execução sumária de combatentes ou civis é um crime de guerra, tendo o EI praticado já um número incalculável de atrocidades do gênero, numa altura em que a Síria é devastada por três anos de guerra civil, agravada pela presença do EI, formado na sua maioria por jihadistas estrangeiros.

De acordo com a France Presse, o EI já controla campos petrolífeors na província oriental síria de Deir Ezzor, sendo sua intenção conquistar zonas estratégicas onde haja gás e petróleo.