Milhares de pessoas manifestaram-se este sábado em defesa de Gaza em frente à Casa Branca, exigindo o fim da ofensiva israelita, indicou a agência de notícias francesa, AFP.

Brandindo cartazes em que apelavam para o “Fim da ajuda norte-americana ao Estado hebraico” ou exigiam “Sanções a Israel, um Estado terrorista”, os manifestantes ocuparam, sem incidentes, uma boa parte do Parque Lafayette, situado mesmo em frente à residência presidencial norte-americana.

Um cartaz exibia uma cruz nazi e um outro evocava o gueto de Varsóvia, comparando-o com o “gueto de Gaza”.

Um pequeno grupo de judeus ortodoxos, protegidos por agentes da polícia, manifestou-se também no mesmo local, trocando acusações com os manifestantes pró-palestinianos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este protesto pró-Gaza foi o maior realizado em frente à Casa Branca desde o início da intervenção israelita contra o Hamas, a 08 de julho, e que já causou a morte de cerca de 1.800 palestinianos, na maioria civis, bem como a de 63 soldados e três civis israelitas.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, anunciou hoje que Israel vai prosseguir a sua campanha militar em Gaza por quanto tempo for necessário.

Em resposta, o Hamas indicou, através de um porta-voz, que continuará o combate contra Israel em Gaza até que os seus “objetivos sejam atingidos”.