As crias nasceram no dia 29 de julho na cidade de Guangzhou, mas só esta terça-feira é que foram dados a conhecer ao mundo. Esta é a primeira vez que se tem conhecimento da sobrevivência de trigémeos panda. A notícia foi adiada por se recear que alguma das crias acabasse por morrer.

“Já passaram 15 dias. Viveram mais tempo do que outros trigémeos conhecidos”, disse o gerente do zoo Dong Guixin. “Só podemos dizer que estão a sobreviver depois de atingirem os seis meses”, disse outra funcionária.

A Associated Press escreve que a mãe, Ju Xiao (cujo nome significa “sorriso de crisântemo”), e os trigémeos se encontram bem. Depois do parto, Ju Xiao terá ficado demasiado cansada para tomar conta das crias, que foram colocadas em incubadoras. Agora estão todos reunidos e são alvo da atenção e dos cuidados permanentes de uma equipa do zoo dessa cidade do sul da China.

As fotografias mostram três pequenos pandas, rosados e com o corpo coberto por um fino pêlo branco. Terão entre 83 e 124 gramas e são mais pequenos do que o tamanho de uma palma humana. Ainda não é possível determinar o género das crias e por isso continuarão sem nome por mais algum tempo, escreve o Guardian.

As crias foram concebidas quando, em setembro de 2013, o zoo juntou Juxiao com aquele que viria a ser o pai, Linlin. “Tornámo-los vizinhos para que se pudessem ver e para que se familiarizassem com o cheiro um do outro”, disse Dong Guixin.

O nascimento dos trigémeos panda está a ser vivido com grande entusiasmo, uma vez que a taxa de reprodução deste animal é extremamente baixa, sendo que a mortalidade nos primeiros tempos de vida é muito elevada. “Podem ser considerados uma nova maravilha do mundo”, diz uma declaração do zoo.

A China tem dedicado inúmeros recursos a para aumentar o número de pandas do país. Há cerca de 1.600 pandas selvagens, mas a continuação da espécie é ameaçada pela perda do habitat e pelas baixas taxas de fertilidade. Só na China vivem 300 pandas em cativeiro. Na sua maioria, encontram-se em programas de reprodução artificial.