Na passada noite de segunda-feira, dia 18 de agosto, o governador do Estado Missouri, Jay Nixon decidiu mover a Guarda Nacional para Ferguson na sequência dos confrontos ocorridos após a morte de Michael Brown, um rapaz de 19 anos. Desde 1992, quando também foi mobilizada devido aos protestos raciais em Los Angeles, que a Guarda Nacional não era destacada para confrontos civis.

De acordo com o The Guardian, Jay Nixon, um democrata, tomou esta decisão pois já há mais de uma semana que os protestos violentos decorem sem que tenha sido encontrada uma resposta eficaz para os parar.

Após este anúncio,  Barack Obama, interrompeu as suas férias e pronunciou-se na Casa Branca dizendo que confia em Eric Holder, procurador-geral, para monitorizar a situação e comunicar-lhe se as “tropas estão a melhorar ou a agravar a situação”.

Ainda sobre este assunto, o Presidente dos Estados Unidos afirmou que é necessário rever as condições de uso de equipamento militar por forças policiais locais pois “a indefinição contínua da linha de separação entre militares e polícias locais é contrária às nossas tradições”.

A morte de Michael Brown, um jovem de 19 anos atingido a tiro por um policia, desencadeou uma onda de protestos violentos que dura já há mais de uma semana.

O governador Jay Nixon comunicou que o recolher obrigatório será suspenso e que as tropas terão um papel limitado, sendo o principal objetivo o controlo dos confrontos e providenciar garantias de segurança para as população.

Por fim, segundo noticiou o The New York Times, Obama pede que a violência pare, apesar de compreender a raiva sentida pelos civis. “Enquanto eu compreendo os sentimentos de raiva que surgem devido à morte de Michael Brown, deixar que essa raiva trespasse para violência, uso de armas e ataques à policia só servem para aumentar as tensões”, disse o Presidente.

Esta noite, apesar do pedido de calma, ainda se verificaram confrontos, a policia deteve alguns manifestantes e usou gás lacrimogéneo para afastar outros, segundo reportou a BBC.