As vendas do comércio a retalho caíram 0,4% em julho, face ao mês anterior, tanto na zona euro como na União Europeia (UE), com Portugal a contrariar e registar o maior aumento, de 2,6%. O aumento em Portugal do índice de vendas do comércio a retalho em julho acontece depois de em junho este ter caído 1,9% face a maio.

Já na comparação anual, entre julho deste ano e o mesmo mês do ano passado, houve um aumento de 0,8% na zona euro e de 1% no total dos 28 países da UE. Neste caso, Portugal registou uma subida de 1,1%, enquanto em junho tinha caído 0,6%. O gabinete de estatísticas oficiais da UE atribui a queda em cadeia de 0,4% na zona euro ao recuo de 0,6% no volume de vendas no setor de “alimentação, bebidas e tabaco” e 0,2% no setor não alimentar, enquanto os combustíveis cresceram 0,5%.

Já no total da UE, o recuo em termos mensais é justificado com descidas em todos os setores: 0,5% no alimentar, 0,3% nos combustíveis e 0,2% no não alimentar. As maiores quedas foram registadas na Áustria (-1,5%), na Alemanha (-1,4%) e na Suécia (-1,3%), enquanto os maiores aumentos foram de Portugal (+2,6%), seguido da Letónia (2,2%).

Em termos homólogos, o aumento de 0,8% no volume de vendas do comércio a retalho na zona euro deveu-se ao crescimento de 1,5% no setor não alimentar, enquanto combustíveis caíram 2,9% e ?alimentação, bebidas e tabaco’ recuou uns ligeiros 0,2%. Na UE a 28, o aumento 1% no comércio a retalho, é justificado pela subida de 2,4% no setor não alimentar, enquanto combustíveis caíram 3% e o setor alimentar 0,2%

Os maiores aumentos, em termos homólogos, aconteceram no Luxemburgo (14,1%), Estónia (9,2%) e Roménia (6,3%) e as maiores quedas em Malta (-2,5%), Polónia (1,1%) e Bélgica e Áustria (ambos com 1%). Portugal, como referido, teve um aumento de 1,1%. O índice do volume de comércio a retalho mede a evolução do total de bens vendidos a retalho tanto na zona euro e no total dos 28 países da União Europeia, ajustado de efeitos sazonais.