Menos de uma semana depois da primeira aparição do refém John Cantlie num vídeo do Estado Islâmico, um segundo vídeo foi divulgado esta terça-feira. Desta vez, o jornalista compara o envolvimento dos Estados Unidos na Síria à Guerra do Vietname.

Na passada quinta-feira, o cidadão britânico apareceu num vídeo, sozinho, envergando roupa cor de laranja semelhante à dos três reféns já executados. Sob o título “Empresta-me os teus ouvidos”, o vídeo informava que vai ser possível acompanhar John Cantlie “nos próximos programas”.

O segundo programa chegou e, com as mesmas vestes de prisioneiro – semelhantes às usadas pelos prisioneiros muçulmanos na prisão de Guantánamo – John Cantlie ‘avisa que os Estados Unidos podem ter à sua frente um novo Vietname.

“Neste programa, vamos ver como os governos ocidentais estão a marchar apressadamente para uma guerra no Iraque e na Síria, sem prestarem qualquer atenção às lições do passado recente”, diz Cantlie. “Desde a Guerra do Vietname que não assistíamos a uma potencial desordem como esta”.

O vídeo de quase seis minutos tem também várias imagens intercaladas de contextualização. Fotografias das pessoas nomeadas, artigos de notícias, sempre com o refém como narrador.

De acordo com a BBC, John Cantlie foi raptado na Síria duas vezes no mesmo ano. A primeira aconteceu em julho de 2012, mas conseguiu fugir com a ajuda do Exército de Libertação da Síria. O jornalista regressou ao país no final do ano e foi então raptado pelo Estado Islâmico.

Os militantes do EI já mataram três reféns, dois norte-americanos e um britânico. O britânico Alan Henning é o atual refém ameaçado de morte. Esta terça-feira, os Estados Unidos e vários aliados começaram a bombardear Raqqa, cidade síria eleita sede do grupo jihadista.