Pela primeira vez, a Frente Nacional conseguiu entrar no Senado francês. Nas eleições parciais para a câmara alta, Marine Le Pen, líder do partido nacionalista, conseguiu eleger dois senadores, algo que considerou uma “vitória histórica”.

Nestas eleições parciais a grande derrota foi para o Partido Socialista do Presidente François Hollande, que perdeu para a UMP o controlo que tinha desde 2011 sobre a câmara alta francesa. Apesar da derrota das eleições municipais em março e das europeias em maio, Jean-Christophe Cambadélis desvalorizou os resultados. O primeiro secretário do PS francês considerou que esta foi “uma eleição mecânica e não histórica”.

Stéphane Ravier, autarca do sétimo bairro de Marselha, e David Rachline, presidente da câmara de Fréjus, são os dois senadores que a Frente Nacional conseguiu eleger. Nestas eleições estavam em jogo 174 lugares, metade dos 348 que compõem o Senado, num sufrágio realizado através de um colégio eleitoral composto particularmente por eleitos locais e regionais.