Pedro Passos Coelho

Contas da Tecnoforma mantidas em segredo

454

Contas da empresa onde Pedro Passos Coelho trabalhou estão abrangidas pelo segredo comercial e Tecnoforma não autoriza divulgação.

O advogado que representa a Tecnoforma, Cristóvão Carvalho, recusou fornecer os valores pagos à ONG

© Hugo Amaral/Observador

As contas da empresa em que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, trabalhou como consultor continuam fechadas a sete chaves. De acordo com o Ministério Público (MP), que autorizou a consulta dos autos resultantes da investigação, estes documentos estão abrangidos pelo segredo comercial e só podem ser consultados se a empresa, neste caso a Tecnoforma, autorizar. O que não aconteceu.

De acordo com o despacho de autorização de consulta do processo, há dois elementos no inquérito que não podem ser revelados. Um deles está em segredo de justiça e refere-se a factos que estão a ser investigados no processo que foi aberto para investigar toda a atividade da Tecnoforma. O processo nasceu de uma queixa da arquiteta socialista Helena Roseta, que implicava Miguel Relvas e um alegado crime de favorecimento.

Sob segredo comercial estão as contas da sociedade, entregues pela empresa quando o Ministério Público lhe pediu esclarecimentos relativamente a alegados pagamentos feitos a Pedro Passos Coelho, quando ele era deputado à Assembleia da República em regime de exclusividade. As contas podiam mostrar se Passos Coelho recebeu alguma coisa e qual o valor que a Tecnoforma pagava à organização não governamental, o Centro Português de Cooperação criado em 1996.

A queixa, de acordo com o processo consultado pelo Observador, foi feita através de carta anónima na sequência de uma entrevista publicada na revista Sábado – em que um ex-administrador da Tecnoforma apontava Passos Coelho como a peça principal para os negócios fechados pela empresa. A queixa dizia que o agora primeiro-ministro recebia cinco mil euros mensais pela sua atividade. E dava o nome do diretor financeiro que estaria a par do caso, “José Duro”.

A denúncia chegou ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) do MP a 3 de junho. No final desse mês, o procurador responsável pelo processo pediu à Tecnoforma que lhe indicasse quem era “José Duro”. E teve resposta. No final de agosto, e sem qualquer indicação no processo sobre um possível contacto com José Duro, os investigadores pediram a confiança dos documentos que davam conta das contas da empresa, ou seja, queriam vê-las, fotocopiá-las e juntá-las ao processo.

Inquérito resolvido em 24 horas

A Tecnoforma, através do seu gabinete de recursos humanos, enviou a 9 de setembro os Livros Selados: “Diário Razão Balancete” e “Inventário Balanço” relativos a dez anos (entre 1994 e 2004). No dia 24, Passos Coelho pediu à Procuradoria que investigasse se cometeu alguma ilegalidade, socorrendo-se do artigo da lei sobre as “pessoas publicamente postas em causa” e do seu direito à honra. O MP extraiu certidão do inquérito principal nesse mesmo dia. E, em apenas um dia, arquivou.

Os argumentos, tal como o Observador noticiou, foram que os factos que podiam constituir um crime de fraude fiscal, a terem acontecido, estão prescritos desde 2007 (cinco anos depois da obrigação de declarar esses rendimentos). No despacho, no entanto, o MP sustenta que os documentos apresentados pela Tecnoforma nunca seriam suficientes para concluir se havia crime ou não. Só seria possível se estes fossem cruzados com contas bancárias da empresa e do governante. Mas nada disto foi feito.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Aníbal Cavaco Silva

Indispensável /premium

Maria João Avillez
268

Fica-se a conhecer a singularíssima relação que houve entre dois políticos, não quaisquer, Cavaco e Passos, e a aliança que teceram e nunca romperam. A visão é ampla e polifónica, goste-se ou não dela

Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
208

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)