A Câmara de Oeiras aprovou esta sexta-feira, em reunião de executivo, o orçamento municipal para 2015 no valor de 121,501 milhões de euros, representando uma redução de 4,45% em relação ao de 2014. Para este ano, a Câmara de Oeiras havia aprovado um orçamento municipal de 127 milhões de euros.

Em comunicado, a autarquia revela que a área social e projetos para o desenvolvimento municipal continuam a ser prioridades do executivo liderado por Paulo Vistas, do movimento independente Isaltino Oeiras Mais à Frente (IOMAF). “Com cerca de menos cerca de 10 milhões de euros que no ano transato, a Câmara de Oeiras continua a optar por uma estratégia orçamental assente na prossecução de uma política de rigor orçamental tendo em vista aprofundar a consolidação do equilíbrio financeiro”, revela a autarquia,

A partir de 2015, por imposição da Administração Central, de acordo com o executivo, Oeiras terá de contribuir com cerca de 775 mil euros por ano para o Fundo de Apoio Municipal. “Enquanto município que soube gerir e equilibrar as suas contas, temos de ajudar os municípios que não o souberam fazer”, considerou esta sexta-feira Paulo Vistas.

A área social continua a ser a prioridade de governação, à qual estão destinados cerca de 700 mil euros para o Fundo de Emergência Social, a continuação da medida de comparticipação nas despesas com medicamentos para os idosos e o Fundo Europeu de Ajuda a Carenciados.

Nos investimentos previstos para as Instituições Particulares de Solidariedade Social está previsto uma verba de 600 mil euros, para a construção do Centro Comunitário Nossa Senhora da Barra / Paróquia de São Julião da Barra, para as novas igrejas de Miraflores e de Outurela e, também, para o Centro Social de São Romão de Carnaxide. Ambiente, Educação e Saúde são também áreas prioritárias para o município.

Segundo a autarquia, está previsto requalificação e manutenção de escolas, reforço de medidas de apoio escolar, bem como a construção de novos centros de saúde, nomeadamente Algés, cuja obra está já em curso, e Carnaxide e Barcarena. Para a área da Cultura está também destinada uma verba do orçamento.