Um responsável dos serviços de segurança adiantou à agência noticiosa francesa AFP que um soldado libanês foi sequestrado por homens armados.

“O exército espalhou-se pelos velhos ‘souks’ (mercados) e conseguiu deter alguns homens armados e apreender as munições e explosivos que tinham na sua posse”, enquanto outros foram perseguidos pelos militares, anunciou o exército ao início da noite.

Segundo o exército, morreram seis militares, entre os quais um oficial de alta patente, durante os combates em Tripoli e nos arredores.

A cidade costeira de Tripoli, que tem sofrido o impacto do conflito na vizinha Síria há mais de três anos, assiste regularmente a confrontos sangrentos entre sunitas partidários da rebelião síria e alauítas (um ramo do xiismo) apoiantes do líder sírio Bashar al-Assad.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas é a primeira vez que combates desta dimensão têm lugar no centro da “capital do norte” do Líbano.

Depois de uma luta feroz nos ‘souks’, pela manhã, as armas calaram-se por volta das 14:00 locais (11:00 GMT), quando o exército entrou numa parte desta zona histórica, onde dezenas de lojas ficaram devastadas, constatou o correspondente da AFP que viu também civis a serem retirados em macas, carcaças de carros e, pelo menos, um corpo queimado.

Os confrontos entre os militares e os homens armados começaram na sexta-feira à tarde, após um ataque contra uma patrulha no bairro de Khan al-Askar, perto do centro da cidade, de que resultaram quatro soldados feridos.