A infeção pela bactéria legionella está associada a má manutenção de aparelhos de ar condicionado, o que pode ter acontecido em Vila Franca de Xira, onde foram confirmados 33 casos.

Mário Jorge Santos, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, disse à Lusa que a situação configura-se como sendo “um evento ocorrido num espaço com ar condicionado” dado o número de casos de infeção confirmados no mesmo dia. “No duche não aparecem tantos casos”, assinalou.

O médico esclareceu que a bactéria não se transmite de pessoa para pessoa, mas através da inalação de gotículas de água, invisíveis a olho nu, e alojadas em sistemas de refrigeração, aquecimento ou em duches com falta ou com má manutenção.

A bactéria é responsável pela doença dos legionários, uma pneumonia que se trata com antibiótico e que se manifesta através de tosse, febre alta, pontadas torácicas e, em alguns casos, por dores musculares.

A situação está a ser acompanhada pela Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo que confirmou a entrada de 33 pessoas infetadas pela bactéria no Hospital de Vila Franca de Xira. Em comunicado, a Administração sublinhou que “dado que se trata de uma situação que não é transmissível de pessoa a pessoa, não há motivos para preocupação acrescida”.

Segundo um estudo do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, em 2013, 20% das amostras de água provenientes de sistemas artificiais analisadas laboratorialmente revelaram a presença da bactéria legionella. Foram analisadas 975 amostras provenientes de água para consumo humano, águas termais, águas industriais, de torres de refrigeração e de jacuzzi.

Entre 2009 e 2013, Portugal registou 459 casos de legionella, segundo dados do relatório “Doenças de Declaração Obrigatória 2009-2012”, divulgado pela Direção Geral de Saúde. Mais de 60% dos casos notificados eram de residentes na região Norte, com destaque para os distritos do Porto e de Braga.