O défice orçamental aumentou quase dois mil milhões de euros de setembro para outubro, para perto dos seis mil milhões de euros, estando assim 1.842 milhões de euros abaixo do défice registado nos primeiros dez meses do ano passado. A redução da despesa corresponde a apenas 10,5% dessa melhoria.

A Direção-Geral do Orçamento publicou hoje as contas do Estado até outubro e a comparação face ao que se passava no ano passado não mudou muito, face ao mês passado.

Dos 1842 milhões de euros de melhoria do défice face ao que se verificava há um ano, apenas 10,5% dizem respeito a redução da despesa. Ou seja, 195 milhões de euros. O grande contributo para a redução do défice continua a ser uma melhoria da receita, em especial da receita fiscal, que contribui com os restantes 89,5%, ou, 1647 milhões de euros.

Só em IRS, o Estado arrecadou mais de 10,5 mil milhões de euros até outubro, mais de mil milhões que no ano passado. Já as empresas, pagaram menos 144,5 milhões de euros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As receitas do Estado com o IVA, por sua vez, subiram quase 760 milhões de euros. Só mesmo as receitas sobre os produtos petrolíferos e o Imposto de Selo estão a cair.

No total, empresas e famílias pagaram nos primeiros dez meses do ano mais de 30 mil milhões de euros, quase mais 2000 mil de euros face ao que tinham pago no mesmo período do ano passado.

Já no que diz respeito à despesa, destaque para o crescimento das despesas com pessoal em 8,9% (Administração Central e Segurança Social).