Rádio Observador

PCTP/MRPP

A prisão de Sócrates é “rocambolesca e provocatória”, acusa o PCTP/MRPP

1.020

O partido de inspiração maoista acusou a justiça portuguesa e os órgãos judiciais de estarem a protagonizar um "verdadeiro golpe de Estado (...) que visa diretamente os partidos à esquerda do PSD".

Leopoldo Mesquita foi o cabeça de lista do partido às eleições europeias

Paulo Spranger / Global Imagens

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) descreveu como “rocambolesca e provocatória” a prisão de José Sócrates. Num comunicado de imprensa, disponível na página oficial do partido e intitulado “Sobre a prisão de Sócrates – Contra-revolução em marcha”, o partido de inspiração maoista acusou a Polícia Judiciária (PJ), o Ministério Público (MP), o juiz Carlos Alexandre e a “polícia política” (SIRP e SIS) de estarem a protagonizar um “verdadeiro golpe de Estado (…) que visa directamente os partidos à esquerda do PSD”.

Apesar de admitir que “nunca morreu de simpatias por José Sócrates e pelo seu Governo”, o PCTP/MRPP disparou várias críticas na direção dos envolvidos na detenção e posterior prisão preventiva do antigo primeiro-ministro, acusando-os de quererem desviar as atenções de outros casos mediáticos, como a Operação Labirinto.

(…) A Polícia Judiciária, pela mão de famigerados justiceiros como Rosário Teixeira, com a cobertura de agentes do Ministério Público e de juízes como Carlos Alexandre, depois de ter abortado prematuramente a Operação Labirinto no caso dos vistos Gold, [permitiu] que Miguel Macedo e outros altos quadros do Estado, do Governo e do PSD pudessem escapar à prisão“, pode ler-se no comunicado.

Mas as acusações do partido à justiça portuguesa e aos órgãos judiciais não se ficam por aqui: a decisão de “deixar à solta Ricardo Salgado, chefe do maior gang de gatunos e financiador das campanhas eleitorais de Cavaco e do PSD” é vista como um meio para “atingir e perseguir os partidos de esquerda” e para “consolidar o poder do atual governo e coligação de traição nacional PSD/CDS“. Ao mesmo tempo, acredita o PCTP, estas mesmas autoridades nunca agiram com empenho semelhante perante as suspeitas que recaíram sobre Paulo Portas e Durão Barroso.

O rol de críticas continua: além do caso da prisão de José Sócrates, “uma importante figura do PS, com quem os atuais dirigentes do PS mais se identificam politicamente”, as investigações a Ferro Rodrigues (a propósito do caso Casa Pia) e, mais recentemente, a condenação do ex-ministro socialista Armando Vara a cinco anos de prisão efetiva foram descritas como “operações de assassinato político contra altos dirigentes do PS”, perpetradas com a “colaboração objetiva do Presidente da República”, que “fecha os olhos e deixa passar uma situação que é (…) de manifesto irregular funcionamento das instituições democráticas e de crise constitucional”.

Cavaco Silva devia, por isso, “dissolver a Assembleia da República e marcar logo as novas eleições legislativas”, para dar “uma nova oportunidade à democracia constitucional”, pode ler-se, por fim, no comunicado do partido fundado em 1970.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)