Contar uma graçola é uma arte com dois cenários possíveis: arrancar uma gargalhada ou receber um implacável momento-grilo (“cri cri”), que é como quem diz silêncio. Na sessão desta quarta-feira do parlamento inglês, David Cameron aventurou-se e tentou sacar um coelho da cartola enquanto se dirigia a um político da oposição, conta o Independent. Lembra-se dos Monty Python, certo?

“Ele disse que seria duro com o défice e duro nas causas do défice. Já que ele é uma das causas do défice, eu penso que encontrámos o primeiro exemplo de política maso-sadista!”, acusou o primeiro-ministro inglês, que teria em mente o sadomasoquista. O acusado era Ed Balls. Os segundos a seguir àquela pérola foram qualquer coisa de indescritível…

O homem que geria os trabalhos, o Speaker como chamam em Inglaterra, John Bercow, teve muitas dificuldades para conter o sorriso e berrava “ordem!” como se não houvesse amanhã. Uma, duas, três, quatro, cinco vezes, enquanto ia acenando com a cabeça. O “basqueiro”, uma expressão que se usa no norte para ruído (lembra-se de Pires de Lima?), nas bancadas foi ensurdecedor. Aquilo parecia um pub em dia de clássico entre Manchester United e Chelsea. Bercow, desesperado, não resistiu e atirou um “toda a gente percebeu o que o primeiro-ministro queria dizer!” E foi isto.