Rádio Observador

Caso José Sócrates

“Sistema vive da cobardia dos políticos”, disse José Sócrates ao DN

826

Numa carta enviada ao Diário de Notícias, José Sócrates dispara em direção ao sistema, jornalistas, juízes, polícias e professores. "Quem nos guarda dos guardas?", questiona no final da carta.

JOHN THYS/AFP/Getty Images

E ao décimo dia em prisão preventiva, José Sócrates fala pela quarta vez à comunicação social. Desta vez, numa carta enviada ao Diário de Notícias, as críticas apontam ao sistema, ao suposto segredo de justiça, aos políticos, jornalistas, faculdades e professores, e até à indiferença e desprezo “que as pessoas decentes têm por tudo isto”. É este o tom da terceira carta, escrita a vermelho e com rabiscos e correções, enviada à imprensa.

“Prende-se para melhor se investigar. Prende-se para humilhar, para vergar. Prende-se para extorquir, sabe-se lá que informação. Prende-se para limitar a defesa: sim, porque esta pode ‘perturbar o inquérito’. Mas prende-se, principalmente, para despersonalizar. Não, já não és um cidadão face às instituições; és um ‘recluso’ que enfrenta as ‘autoridades’: a tua palavra já não vale o mesmo que a nossa. Mais que tudo — prende-se para calar”. É assim que José Sócrates começa a prosa em sua defesa.

Detido desde a noite de 24 de novembro, o ex-primeiro-ministro tece ainda críticas à quebra do segredo de justiça que, diz, só a defesa está obrigada a cumprir e acusou de perversa e cúmplice a relação entre jornalistas com juízes e polícias, que se traduz em trocas de informações e elogios.

“O ‘sistema’ vive da cobardia dos políticos, da cumplicidade de alguns jornalistas; do cinismo das faculdades e dos professores de Direito e do desprezo que as pessoas decentes têm por tudo isto”, escreveu Sócrates, que termina a carta com uma pergunta desafiadora: “Quem nos guarda dos guardas?”.

HABEAS CORPUS REJEITADO

O Supremo Tribunal de Justiça recusou quarta-feira o pedido de habeas corpus interposto por um cidadão. Os juízes não consideraram ilegal a prisão do ex-primeiro-ministro José Sócrates, que deverá manter-se em prisão preventiva.

No acórdão onde fundamentam a decisão, os juízes assinalam que a verificação da figura do habeas corpus pressupõe “abuso de poder, e de erro grave, grosseiro e rapidamente verificável”. O que não se verificou neste caso.

“Assim sendo, torna-se manifesto que a prisão preventiva imposta a José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa não se evidencia como um atentado ilegítimo à sua liberdade individual, qualificado e grave, anómalo, grosseiro e imediatamente verificável, que ofenda aquela de ilegalidade, por violação direta patente, ostensiva e grosseira dos pressupostos e das condições da sua aplicação”, lê-se na decisão.

Documentos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)