Financial Times

“Velha ordem” perdeu o domínio sobre Portugal, diz o Financial Times

7.281

O Financial Times publica esta sexta-feira uma edição especial de quatro páginas sobre Portugal, onde diz que o país está a regenerar-se e que há uma "velha ordem" que deixou de o controlar.

O Financial Times dedica hoje um especial de quatro páginas a Portugal.

António Cotrim/LUSA

O colapso do Grupo Espírito Santo e as detenções do antigo primeiro-ministro José Sócrates e de altos responsáveis ligados ao caso dos “Vistos Gold” são, acredita o Financial Times, sinais claros de que Portugal está a regenerar-se e que a “velha ordem” perdeu o domínio do país. O Financial Times dedica esta sexta-feira uma edição especial de quatro páginas sobre “Investir em Portugal”, em que é elogiada a estabilidade política e as reformas que foram feitas. Mas onde se alerta, por outro lado, para o crescimento baixo e para os receios sobre a sustentabilidade da dívida.

O texto principal do trabalho especial do Financial Times começa com uma pergunta, que possivelmente terá passado pela cabeça de muitos dos investidores que leem diariamente o jornal britânico:

Se um programa rigoroso de reformas e consolidação orçamental supervisionado pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) não conseguiu detetar o colapso iminente de um dos maiores bancos do país, que confiança pode Portugal ter de que os seus problemas estruturais enraizados estão a ser solucionados de forma adequada?

É neste contexto que o Financial Times (FT) enquadra a situação política atual, a menos de um ano das eleições legislativas: uma disputa entre a “oposição anti-austeridade socialista”, que está à frente nas sondagens dos partidos da “coligação de governo de centro-direita, conservadora do ponto de vista orçamental”. É uma disputa entre António Costa, que “descreve o resgate como um falhanço”, e Pedro Passos Coelho, “que avisa que Portugal necessitará de muitos mais anos de controlo orçamental rígido para assegurar um futuro próspero”.

Os jornalistas do FT contam aos seus leitores que o país assistiu “boquiaberto” à queda do império familiar Espírito Santo e à detenção de um ex-primeiro-ministro e vários responsáveis ligados aos serviços de estrangeiros e fronteiras. “Está a crescer a perceção de que as dificuldades económicas causadas pelo programa de ajustamento e o colapso traumático do grupo Espírito Santo são parte de um processo doloroso – uma tentativa de permitir que áreas mais bem sucedidas da economia floresçam”, escreve o jornal.

Para trás podem estar a ficar os “males económicos” personificados pela família Espírito Santo, incluindo “relações demasiado íntimas entre os setores público e privado” e as empresas a pedirem “demasiado crédito para crescer, na ausência de capital”. E, ainda, estará a combater-se uma situação em que existe um país dominado por empresas “viradas para o mercado interno, protegidas da concorrência e dependentes de contratos com o Estado, absorveram demasiado investimento e talento” humano.

O Financial Times diz que Portugal tem subido nos “rankings” da competitividade mas continua a enfrentar obstáculos, com muita burocracia e impostos elevados. O maior problema é, todavia, a falta de um crescimento mais robusto que alivie os receios com a sustentabilidade da dívida, diz o jornal. Contudo, o jornal salienta que, apesar da crise vivida nos últimos anos, não foi perturbada a “fé” no sistema político de dois partidos moderados e, por outro lado, nota que as reformas do sistema fiscal tornam possível aumentar a base tributária ao mesmo tempo que se desce a carga fiscal.

Documentos

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)