Rádio Observador

Comissão de Inquérito BES

Quais são as perguntas obrigatórias a fazer a Ricardo Salgado

A audição do ex-presidente do BES, esta terça-feira é esperada com expectativa. Dívida descontrolada do grupo, utilização do BES para financiar o GES, Angola, sucessão e Eurofin deverão ser abordados

Ricardo Salgado já sinalizou que está disponível para prestar esclarecimentos

¡lvaro Isidoro

Não faltam perguntas a colocar ao antigo presidente do Banco Espírito Santo (BES). Ricardo Salgado, que estará nesta terça-feira na comissão de inquérito que decorre no Parlamento, é o grande protagonista do drama do grupo e do banco com a marca Espírito Santo.

Líder incontestado desde o início dos anos 1990, o ex-presidente do BES concentrava em si, e em poucos leais, o comando do banco, do grupo e dos negócios que envolveram várias grandes empresas portuguesas, onde se destaca a Portugal Telecom.

Mesmo que Ricardo Salgado tenha nas últimas declarações públicas apelado para a responsabilidade solidária dentro do grupo, é inevitável que todas as atenções se foquem em si. O ex-líder do BES já afirmou estar disponível para prestar os esclarecimentos necessários na audição desta terça-feira. Aqui fica um guião possível dos muitos temas incontornáveis.

1. Causas e responsabilidades pelo descontrolo da situação económica nos negócios não financeiros do Grupo Espírito Santo (GES) que levaram à ocultação de dívida e irregularidades contabilísticas na Espírito Santo Internacional

2. Papel de conflito com Pedro Queiroz Pereira pela Semana no agravamento dos problemas financeiros do grupo, sobretudo pela visibilidade pública de problemas como o excesso de exposição dos fundos a empresas do GES

3. O contágio da crise do GES ao BES. A utilização dos fundos dos clientes para financiar o grupo, primeiro através dos fundos de investimento e depois de produtos vendidos aos balcões do banco.

4. Desrespeito pelas instruções do Banco de Portugal de criação de barreiras de proteção (ring-fencing) do banco em relação ao grupo.

5. Incumprimento de planos de reestruturação e saneamento financeiro das empresas não financeiras. Porque não foram vendidos ou demoraram a ser vendidos empresas e ativos

6. Concessão de crédito descontrolada e fora das regras do Banco Espírito Santo Angola (BESA) e demora em tomar medidas de saneamento financeiro e de gestão. Como foi obtida garantia soberana do estado angolano e o que aconteceria ao BES se não tivesse sido dada.

7. Como foi financiada a recapitalização privada do BES. Porque não recorreu aos fundos da troika? Teria feito diferença?

8. Ausência ou ineficácia dos mecanismos de controlo interno do banco e do grupo, em particular, dos conflitos de interesse entre acionista e BES, e de reporte contabilístico e auditoria.

9. Operações sob suspeita de terem beneficiado grupo, membros da família ou o próprio: venda da Escom, contrato dos submarinos, prenda de 14 milhões e correções e perdão fiscal.

10. Ocultação ou demora na prestação de informação sensível e grave a reguladores, acionistas e colaboradores próximos. Acreditava na solidez e futuro do banco quando vendeu aumento de capital de maio?

11. Sucessão. Porque resistiu tanto ao processo de sucessão quando eram já notórios sinais de desgaste público e perda de credibilidade e confiança?

12. Planos B e pedidos de ajuda. Alguma vez equacionou ou tentou recorrer a fundos públicos para recapitalizar o BES? Confiava mesmo que ia obter financiamento do Estado (caixa) ou de Angola? A quem recorreu mais? Quando percebeu que tudo (até o banco) estava perdido? E quando o assumiu para família, autoridades e colaboradores?

13. As culpas no período de vazio de poder. Qual responsabilidade e influência nas operações de realizadas em julho (obrigações intermediadas pela Eurofin e recompradas com grandes perdas e cartas de conforto à Venezuela) que fizeram disparar os prejuízos e precipitar a resolução.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)