Mais de uma semana depois de o avião da AirAsia se ter despenhado no mar de Java, as equipas de resgate continuam as buscas pelas caixas negras e concentram os esforços na procura pela cauda do avião.

As autoridades indonésias informaram que, até ao momento, foram recuperados 34 corpos, entre os quais nove já foram identificados.

O mau tempo e as fortes correntes dificultam os trabalhos para aceder aos cinco grandes objetos localizados com radares, que formariam o corpo do avião, a cerca de 30 metros de profundidade na zona noroeste do mar de Java.

Mergulhadores e submarinos ainda aguardam para poderem confirmar que os restos pertencem ao avião.

Acredita-se que um grupo de passageiros do Airbus possa estar preso nos assentos dessa parte do avião, que mede entre sete e dez metros de comprimento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um total de 27 barcos e 20 aeronaves de diversos países participam hoje nas operações de busca e resgate das vítimas e das caixas negras do avião, indicou a Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia.

No sábado, a Agência Indonésia de Meteorologia, Climatologia e Geofísica afirmou que a causa mais provável do acidente foi um dano no motor causado pela formação de gelo ao atravessar uma nuvem, ainda que seja necessário aceder aos registos das caixas negras para perceber exatamente o que se passou.

O voo QZ8501 partiu da cidade de Surabaia, na Ilha de Java, a 28 de dezembro e tinha previsto aterrar duas horas depois em Singapura, mas acabou por cair no mar 40 minutos depois de descolar.

A aeronave transportava 162 pessoas, entre passageiros e tripulação: 155 indonésios, três sul-coreanos, um britânico, um francês, um malaio e um singapuriano.