A economia portuguesa terá destruído 62,2 mil empregos nos últimos três meses de 2014, revelou hoje o INE, conseguindo ainda assim terminar o ano com um crescimento do emprego de 1,4%. Mais de meio milhão de empregos desapareceram desde outubro de 2008, quando a crise financeira ficou mais evidente nos EUA com a queda do Lehman Brothers em setembro.

De acordo com os dados do emprego por trimestre que o Instituto Nacional de Estatística (INE) disponibiliza nas Contas Nacionais Trimestrais hoje publicadas, considerando os dados ajustados de sazonalidade, no final do terceiro trimestre a economia portuguesa tinha 4.570,3 mil pessoas empregadas, mas esse número caiu para 4.508,1 mil pessoas no final de 2014, menos mais de 60 mil pessoas.

A queda abrupta não impediu que em 2014 a economia tenha criado emprego: 1,4% para a totalidade do ano. Fazendo contas aos números anuais apresentados pelo INE, a economia terá criado emprego pela primeira vez desde 2008, tendo apresentado quedas anuais nos últimos cinco anos.

Os números estão ainda muito longe desse período. Desde o final de 2008, a economia portuguesa perdeu mais de 560 mil empregos se tivermos em contas os números anuais.

Usando os dados trimestrais, ajustados de sazonalidade, pode se observar que apenas nos três anos em que a troika esteve em Portugal, a economia portuguesa destruiu mais de 312 mil empregos.