O ministro da Educação, Nuno Crato, afirmou esta noite que o país “melhorou” na área que tutela e na saúde desde que o governo tomou posse, mas reconheceu que apesar dos indicadores positivos continuam a existir “dificuldades” nesses setores.

“A saúde, a educação primária, a educação superior e a formação melhorou. Isto é importante porque têm sido as áreas em que se tem falado mais que as coisas estão difíceis, que há dificuldades, e há dificuldades, toda a gente sabe, mas nós melhorámos na educação, nós melhorámos na saúde”, disse.

Nuno Crato, que falava em Portalegre no âmbito das jornadas conjuntas do PSD e do CDS-PP sobre investimento, justificou as suas declarações reportando-se aos dados apresentados pelo “Economic World Forum” sobre a competitividade em 2014.

“Estamos em quinto lugar como aquele (país) que tem o menor número de dias necessários, em simplificação administrativa, para começar um negócio. Só há quatro países que estão acima de nós. Isto é absolutamente extraordinário”, declarou.

Nuno Crato sublinhou ainda que Portugal ocupa no mesmo estudo que reúne mais de 140 países, a 33ª posição na “qualidade da educação básica”, recordando que em 2011 o país ocupava a 61ª posição.

“A nossa educação básica nestes momentos de grandes dificuldades (2011, 2012, 2013 e 2014) melhorou significativamente. É uma melhoria muito significativa que todos nós devíamos de estar orgulhosos”, disse.

“É pena que todas as forças políticas não olhem isto como um resultado importante para o país”, lamentou.

Nuno Crato, que apresentou ainda outros indicadores que considera positivos na área que tutela, terminou a sua intervenção sublinhando que Portugal caminha no sentido de se apresentar “cada vez mais” como um país “moderno”, “muito civilizado”, com jovens “muito bem formados” e “muito competitivo na arena económica internacional”.