Rádio Observador

Comida

Preço do azeite vai subir em Portugal devido a queda de 20% da produção

O preço do azeite vai subir devido à queda em 2014 na produção nacional. A quebra foi motivada pelas más condições climatéricas, que se fizeram sentir em alturas cruciais para a produção de azeitona.

O preço do azeite na origem tem vindo a sofrer um aumento sistemático desde o verão de 2014

NUNO VEIGA/LUSA

O preço do azeite para o consumidor final vai subir nos próximos tempos devido a uma queda da produção nacional em 2014 e aumento do custo na origem, avançou a secretária-geral da Casa do Azeite. “O preço do azeite na origem, pago pelo preço da azeitona, teve um aumento na ordem dos 60%, fator que, aliado à quebra de 20% na produção nacional, vai ter de refletir-se no preço ao consumidor final”, disse à agência Lusa a secretária-geral da Casa do Azeite, Mariana Matos, à margem do III Congresso Ibérico do Azeite, a decorrer em Abrantes, no distrito de Santarém, até domingo.

“O preço do azeite, na origem, tem vindo a sofrer um aumento sistemático e muito significativo desde o final do verão de 2014, aumento de preços que tem vindo a acentuar-se à medida que se conhecem melhor os dados da última campanha de produção, que apontam, em termos mundiais, para uma quebra muito significativa da produção de azeite”, notou Mariana Matos.

“Essa quebra foi motivada pelas más condições climatéricas que se fizeram sentir em alturas cruciais para o ciclo de produção da azeitona, como a altura da floração e vigamento dos frutos, e a fase final da maturação”, observou a responsável. “Com uma quebra tão acentuada na produção mundial, é natural que o preço na origem tenha um significativo aumento, é a lei da oferta e da procura”, lembrou, acrescentando que, por enquanto, o preço ao consumidor ainda não reflete esta situação.

No entanto, avançou Mariana Matos sem quantificar, o preço “deverá progressivamente ser ajustado para refletir o maior custo da matéria-prima na origem”. Segundo defendeu, a desvalorização do euro “terá um impacto positivo nas exportações de azeite, tendo em conta que grande parte das exportações se destina a países extracomunitários. Por outro lado, essa desvalorização pode contrariar um pouco o aumento do preço do azeite na origem, minimizando o impacto negativo desse aumento nas exportações”, observou.

João Nuno Alcaravela, diretor da Associação de Agricultores dos concelhos de Abrantes, Mação, Sardoal e Constância e membro da organização do Encontro Ibérico do Azeite destacou à Lusa as medidas relacionadas com o Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) até 2020, que está a iniciar o seu período de execução. “Foi possível neste simpósio dar a saber que o PDR 2020 tem linhas de apoio muito importantes para a instalação de novos agricultores, ajudas gerais à agricultura empresarial e à pequena agricultura, com apoios que, no caso de pequenos investimentos (até 25 mil euros), vão até aos 50%”, referiu.

“Realço ainda os apoios financeiros aos olivicultores para a instalação de novas plantações, modernização de maquinaria e para projetos de aglomerados de produtores, assim como ao olival tradicional, à produção integrada e à agricultura biológica”, acrescentou Alcaravela, tendo lembrado a “novidade do limite da idade” aceite para os pequenos agricultores.

“Ao contrário dos anteriores quadros comunitários, um indivíduo com 40 anos, inclusive, pode apresentar projetos de instalação na qualidade de jovem agricultor”, aplaudiu. Uma medida que Mariana Matos considerou ser um “estímulo absolutamente vital para a reconversão de toda a agricultura nacional”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)