Natalia Revuelta Clews era casada com o cardiologista Orlando Fernández e pertencia à burguesia cubana que assistia à distância às lutas pelo poder político na ilha. Mas o golpe militar de Fulgencio Batista viria alterar a vida de Naty, como era conhecida, e a alterar o curso da história de Cuba: a mulher tornou-se ativista política, vendeu jóias para financiar a revolução e aproximou-se de Fidel Castro, por quem viria a apaixonar-se e ter uma filha, Alina Fernández. Morreu com 89 anos, vítima de um enfisema pulmonar.

Alina Fernández, fruto da relação extraconjugal entre Naty e Castro, conta como a mãe teve um papel fundamental no assalto ao quartel de Moncada a 26 de julho de 1953, data que viria a dar origem ao movimento revolucionário com o mesmo nome. Foi na casa de Naty e Fernández que a conspiração para derrubar Fulgencio Batista começou a ganhar forma e foi também nessa altura que Natalia Revuelta Clews “deixou de ser uma burguesa com preocupações sociais para se tornar uma radical”, conta. Na altura, circulavam rumores de que Naty terá vendido as suas joias para ajudar financeiramente a operação, algo confirmado por Alina Fernández ao jornal espanhol: “[A minha mãe] contribui com esforços, dinheiro e contactos”.

No entanto, e apesar de todos os esforços, o assalto ao quartel de Moncada viria a revelar-se um desastre: a maioria dos homens de Fidel Castro foi morta ou capturada e o futuro líder cubano julgado e condenado a 15 anos de prisão. Foi nesse período que começou o romance entre Naty Revuelta e Castro, como contou a filha ao ABC em 1997.

“Pensando na mãe do condenado, [a minha mãe] enviou um bilhete anónimo de solidariedade. A mãe [de Castro] mostrou o bilhete ao filho numa das visitas à prisão. Fidel reconheceu a letra de Naty e respondeu. Foi assim que começou troca de correspondência, que cresceu e se tornou uma relação amorosa. Fidel foi libertado da prisão sob a condição de deixar a ilha. Uma curta estadia em Havana fez com Fidel se aproximasse novamente de Naty Revuelta. Nasci desta união em 1956 e o marido de Naty reconheceu-me como sendo sua”.

Apesar de reconhecer Alina Fernández, o cardiologista viria a divorciar-se de Naty Revuelta e partiu para os Estados Unidos com a outra filha do casal, Natalie. Também Alina Fernández – que descreveu Fidel Castro como um homem “cruel” – viria a abandonar Cuba em 1993, disfarçada de turista e com um passaporte falso. Só regressou à ilha quando a saúde da mãe começou a dar os primeiros sinais de fraqueza. Esteve com ela no último sábado, quando Naty Revuelta morreu, contaram fontes próximas da família ao jornal espanhol.

Quanto a Naty, depois da revolução que derrubou Fulgencio Batista (1959), manteve-se sempre fiel a Castro – ocupou, por exemplo, vários cargos em organismos oficiais, desde o Instituto Nacional da Reforma Agrária e o Ministério do Comércio Exterior, de onde se aposentou em 1980.

A 21 de fevereiro de 1997 o jornal espanhol publicou seis cartas que Fídel Castro enviou a Naty Revuelta, escritas desde a sua cela entre 1953 e 1954. Nas cartas, conversam sobre livros, revoluções, amor e nostalgia. Pode lê-las aqui.