O presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, declarou em Madrid que não se apercebeu de qualquer “plano diabólico” de Espanha e de Portugal para “derrubar o Governo de Alexis Tsipras” na Grécia.

“Eu não me apercebi na semana passada que Portugal e a Espanha tivessem um plano diabólico para derrubar o Governo de Alexis Tsipras [na Grécia]. (…) Se tivesse tido a impressão de que o Mariano [Rajoy] e o Pedro [Passos Coelho] alimentavam um plano assim tão detestável eu teria agido, mas o que há é boas intenções”, declarou Jean Claude Juncker em conferência de imprensa no final de uma cimeira tripartida entre Espanha, Portugal e França.

Juncker respondia a uma pergunta dos jornalistas sobre a polémica do passado fim-de-semana, quando Portugal e Espanha fizeram um protesto junto das instituições europeias contra o Governo grego, devido a declarações de Alexis Tsipras, que acusou Lisboa e Madrid de serem os principais opositores do acordo entre Atenas e o Eurogrupo.

A conferência de imprensa da cimeira tripartida sobre um novo plano de interligações energéticas entre a Península Ibérica e a França ficou marcada pela questão grega: quer a polémica em torno do protesto, a eventualidade de um terceiro resgate e mesmo declarações de Jean-Claude Juncker hoje ao jornal espanhol El País, quando admitiu que Portugal e Espanha tinham sido “muito exigentes”.

Sobre um eventual terceiro resgate à Grécia, o primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, recusou “fazer cenarizações”, recordando apenas que os “países que estão ou estiveram sob assistência financeira” estão nesses programas “porque assim o solicitaram”.

“É aos países que cabe solicitar essa ajuda e essa decisão. Não é aos governos de Portugal, Espanha e França que tem de colocar essa pergunta, mas sim ao Governo grego”, afirmou.