A aviação síria lançou 13.084 ataques nos últimos seis meses contra as forças rebeldes e ‘jihadistas’, durante os quais morreram 704 homens armados e 2.312 civis, indicouhoje o Observatório Sírio para os Direitos Humanos em comunicado.

Segundo dados da organização não-governamental, que conta com uma ampla rede de voluntários no terreno, os bombardeamentos foram registados entre 20 de outubro e 20 de abril.

Os helicópteros do exército lançaram 7.188 barris de explosivos que, segundo a organização, visaram distintas zonas em 12 províncias diferentes.

Os restantes bombardeamentos (5.896) foram levados a cabo por aviões de combate.

O Observatório detalha que dos 2.312 civis mortos, 529 eram menores.

Os raides aéreos fizeram ainda 13 mil feridos entre os civis e dezenas de milhares de deslocados.

Entre os 704 combatentes mortos figuram membros dos grupos rebeldes e das milícias islamitas, bem como da Frente Al-Nosra (filial da Al-Qaida na Síria) e do grupo radical Estado Islâmico.

A organização precisa que centenas de rebeldes e de ‘jihadistas’ também ficaram feridos nos ataques da aviação síria.

Em comunicado, insta o Conselho de Segurança da ONU a assumir a sua responsabilidade para travar “a morte diária de cidadãos sírios”.

O conflito armado na Síria, iniciado em março de 2011, já fez mais de 220 mil mortos, segundo dados das Nações Unidas.