O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, prepara-se para elaborar um estudo sobre o impacto económico para o Reino Unido de uma eventual reforma das instituições europeias. Segundo o Financial Times, o estudo incluirá, também, uma previsão sobre quais seriam as implicações para a economia britânica de uma saída do Reino Unido da União Europeia, algo que David Cameron, o primeiro-ministro recém-reeleito promete fazer até ao final de 2017.

A equipa de George Osborne já preparou um estudo semelhante aquando do referendo escocês à independência da Escócia, recorda o The Telegraph. Na altura, a conclusão foi de que a economia escocesa iria sofrer repercussões graves, o que terá convencido muitos escoceses a votar pelo “Não” à secessão. O próprio governo britânico recorreu a este estudo para tentar persuadir os escoceses a não procurarem a saída do Reino Unido.

“O governo está empenhando em obter o acordo ideal para o Reino Unido, no contexto de uma União Europeia reformada”, disse um porta-voz do Tesouro britânico ao The Guardian. “É importante que haja um debate informado”, acrescenta a mesma fonte.

A notícia do Financial Times surge depois da polémica divulgação (envio a um jornal, o The Guardian) de um estudo do Banco de Inglaterra sobre o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia.