Rádio Observador

Sushi

Há uma etiqueta para comer com pauzinhos (e não estamos a segui-la)

2.235

Sabe comer sushi com pauzinhos? Se respondeu sim, informamos que saber controlá-los entre dedos e sem elásticos nas pontas não conta. Há regras de etiqueta, e o Observador reuniu as principais.

Se já domina as regras de etiqueta de quem come de garfo e faca, está na altura de requintar as suas refeições japonesas

YOSHIKAZU TSUNO/AFP/Getty Images

Autor
  • Raquel Salgueira Póvoas

Comer sushi já está no menu das escolhas dos portugueses. No entanto, a arte de dominar os “talheres do extremo oriente”, os pauzinhos — ou hashi, kuaii, fachi, como também são conhecidos noutros idiomas –, ainda não é uma habilidade que muitos possuam. Aliás, é até um desafio para quem está habituado ao garfo e à faca.

É provável que, mesmo sendo especialista em saborear sushi,  cometa uma falha ou outra quando o come. O importante é saber que a etiqueta dos pauzinhos existe e que há pormenores que fazem a diferença, quer esteja num restaurante requintado ou num jantar mais descontraído.

O Observador reuniu algumas regras e tradições orientais que, segundo os especialistas, devem ser mantidas. Se seguir estes conselhos vai ganhar pontos à mesa.

1. Não segure os pauzinhos nas pontas

Esta é uma tendência de quem os começa a utilizar. Com a prática, o correto é segurá-los mais em baixo, ensina Cathy Erway, autora do livro The Food of Taiwan.

2. Não espete os pauzinhos na comida

Esta é uma regra de ouro que não se deve desrespeitar, já que está associada a rituais fúnebres.  Anna Lins, chef de cozinha japonesa há 16 anos e proprietária do restaurante Umai, explica ao Observador que, quando termina a refeição, deve colocar os pauzinhos na borda da taça ou na molheira.

3. Nunca os separe

Quando pousa os pauzinhos, tenha em atenção que deve mantê-los sempre lado a lado, como um par. Não estamos a falar de um garfo nem de uma faca, por isso nem pensar em pousar cada um do seu lado do prato.

4. Não os use para pegar em nigiris

A forma correta, de acordo com o especialista Sterling Ridings, chef de cozinha do reputado restaurante japonês no Texas, Uchiko, é pegar neles com a mão, virá-los ao contrário e molhá-los no molho de soja, para que o arroz não se desfaça antes de chegar à boca.

BERLIN - NOVEMBER 23:  Sushi from yellowfin, or maguro, tuna lies on a customer's plate at a sushi restaurant on November 23, 2010 in Berlin, Germany. Yellowfin tuna is mostly fished in the Atlantic and is among the cheaper and more plentiful varieties of tuna.  (Photo by Sean Gallup/Getty Images)

O erro é comum. Foto: Sean Gallup/Getty Images

5. Não dê a provar com o lado que já utilizou para comer

O outro lado destes talheres também conta, quando se pretende servir alguém. É simples: “viram-se os pauzinhos e serve-se com a parte de trás”, explica Anna Lins, uma das responsáveis pelo festival Sushi Fest.

6. Não tire as farpas dos pauzinhos de madeira de uma maneira qualquer

Há farpas que incomodam, são persistentes e ali permanecem, depois de já se terem separado os pauzinhos. Ainda que a tentação seja friccionar um contra o outro para as retirar, Anna Lins explica que é totalmente errado fazê-lo.

7. Não tente arranjar mais espaço do que o que tem na boca

Tal como falar de boca cheia é errado, empurrar a comida para dentro com os pauzinhos também. Por isso, a chef reforça que estes se utilizam como uma pinça e servem apenas para segurar os alimentos.

8. Não aponte, é feio

Não use os pauzinhos para apontar para as pessoas, é ainda pior do que apontar com o dedo.

Boas refeições, ou melhor, よく食べますね.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)