As autoridades do México anunciaram, esta segunda-feira, uma recompensa de 60 milhões de pesos (3,5 milhões de euros) por informações que conduzam à captura do narcotraficante Joaquín “El Chapo” Guzmán, que se evadiu de uma prisão de máxima segurança.

“Este criminoso não vai ter descanso”, afirmou o ministro do Interior, Miguel Ángel Osorio, garantindo que o Governo mexicano não vai sossegar enquanto não prender o cabecilha do cartel de Sinaloa, que se evadiu, no fim de semana, da prisão de máxima segurança no Estado do México (centro), onde estava preso desde fevereiro de 2014, por um túnel com 1,5 quilómetros com ligação a um prédio fora da área prisional.

Esta foi a segunda fuga de “El Chapo” de uma prisão mexicana em 14 anos.

O valor da recompensa agora anunciado representa o dobro relativamente à oferta feita pelo México na sequência da fuga anterior.

Um aumento que a procuradora-geral mexicana, Arely Gómez, justificou com o facto de se “tratar de uma pessoa que se evadiu por duas vezes da prisão” que “representa uma ameaça para a segurança pública”.

Após o anúncio da recompensa, a mesma responsável indicou que foi disponibilizada uma linha telefónica gratuita para denúncias e informações sobre o caso e exibiu “uma fotografia recente” do narcotraficante, na qual aparece sem bigode e com a cabeça rapada.

Três altos funcionários, incluindo o diretor da prisão, foram entretanto despedidos, segundo revelou o ministro do Interior mexicano, dando conta da suspeita de que “El Chapo” terá contado com a cumplicidade de pessoal da prisão de alta segurança de Altiplano.

“Não haverá lugar para a impunidade. Qualquer funcionário público, federal, estatal ou municipal que tenha participado nestes atos será castigado. Serão todos envolvidos nesta fuga”, disse Miguel Ángel Osorio.