Forças especiais do Mali, apoiadas por soldados franceses, puseram fim a uma tomada de reféns por homens armados no Hotel Byblos em Mopti, a 620 quilómetros da capital Bamako, avançaram fontes militares do país à agência AFP este sábado. Morreram 12 pessoas desde o início do ataque, entre elas quatro terroristas, cinco soldados daquele país, dois funcionários do hotel e um membro da Missão da ONU no Mali (Minusma).

“As operações foram terminadas e o hotel foi limpo”, afirmou uma primeira fonte militar, uma informação que foi também confirmada por uma outra fonte citada pela AFP.

Entre os reféns resgatados, encontra-se um cidadão russo e três sul-africanos que se somam ao ucraniano que tinha conseguido escapar do hotel onde estavam retidos desde sexta-feira.

Fonte do governo maliano informou na sexta-feira em comunicado que sete pessoas ligadas ao assalto foram detidas.

Nenhum grupo reivindicou o ataque até ao momento, mas as autoridades suspeitam do envolvimento de seguidores de Amadou Kouffa, um ‘jihadista’ local próximo da Al-Qaida no Magrebe Islâmico (AQMI).

O último atentado contra estrangeiros no Mali ocorreu em março, num restaurante da capital, Bamako, e fez cinco mortos, dois deles europeus.