Rádio Observador

Legislativas 2015

Sondagens do dia: Coligação alarga vantagem para o PS

720

O estudo da Intercampus dá uma vantagem recorde para a coligação, que consegue agora mais 5,1 pontos percentuais do que o PS. Este, em contrapartida, encurtou distâncias na sondagem da Católica.

JOSÈ SENA GOULÃO/LUSA

Uma vantagem recorde. O estudo da Intercampus para a TVI/TSF e Público divulgado este domingo coloca a coligação Portugal à Frente, com 38,1% nas intenções de voto, a 5,1 pontos percentuais do PS, que se fica pelos 33%.

No entanto, a sondagem da Universidade Católica para a RTP conta uma história diferente: a coligação continua à frente e ainda na casa dos 40%, mas os socialistas parecem recuperar caminho, estando agora a 7 pontos de diferença – no sábado, PSD e CDS estavam a 10.

Em comum, as duas sondagens têm o número crescente de indecisos: 22,8% no caso da Intercampus, 25% para a Católica.

O que diz a sondagem da TVI?

A tracking poll da Intercampus para a TVI/TSF e Público atribui a Pedro Passos Coelho e a Paulo Portas 38,1% nas intenções de voto e a António Costa 33%. A coligação Portugal à Frente cava, assim, um fosso ainda maior para o PS.

No entanto, nem tudo são más notícias para os socialistas. O PS parece conseguir, ainda assim, inverter a tendência negativa registada durante toda a semana – subiram 0,2 pontos percentuais em relação a sábado. PSD/CDS continuam a crescer, estando agora mais perto do valor mais alto registado (40,1%).

A CDU, por sua vez, mantém-se na casa dos 9% e o Bloco de Esquerda parece ter estabilizado nos 6,7%. Destaque, ainda, para a subida do número de indecisos: de acordo com o estudo da Intercampus, há 22,8% de portugueses que ainda não decidiram em quem votar.

Em sentido inverso, o número de pessoas que diz que vão votar nos partidos sem assento parlamentar continua em queda: 4,1% dos inquiridos dizem que vão votar noutros partidos.

E o que dia a sondagem da RTP?

O estudo da Universidade Católica para a RTP traz boas notícias para PS e CDU: os socialistas conseguem atingir os 34% nas intenções de voto e reduzir a vantagem para a coligação, que nesta sondagem desce dois pontos percentuais em relação a sábado (tem agora 41%).

Já os comunistas, conseguem subir um ponto em relação ao dia anterior e chegam agora aos 9% – a CDU parece ter estabilizado entre os 8-9%. Para Catarina Martins e Bloco de Esquerda, os resultados desta sondagem nada trazem de novo: mais uma vez, os bloquistas surgem como quarta força política mais votada, com 7%.

Em relação aos outros partidos, este estudo diz que 5% dos inquiridos vão votar em partidos sem assento parlamentar. O número de indecisos, por sua vez, volta a crescer em relação a sábado: a 14 dias das eleições, 25% dos portugueses não sabem em quem vão votar.

A tracking poll da Intercampus para a TVI/TSF e Público foi feita com uma amostra de 1.025 entrevistas, com uma taxa de resposta de 58,1% e uma margem de erro 3,1%. Já na sondagem da Universidade Católica para RTP, a amostra foi de 1.075 inquéritos, teve uma taxa de resposta 59% e uma margem de erro de 3%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)